Camim acolhe casal que vivia debaixo de ponte

A Guarda Civil Municipal (GCM) atendendo a um chamado em conjunto com a Central de Atendimento ao Migrante, Itinerante e Mendicância (Camim) e apoio da Secretaria Municipal de Obras prestou auxílio a Rogério H., 30 e sua companheira Dilma C. 32,  que estavam vivendo de forma precária debaixo de uma ponte (alça da Rodovia Marechal Rondon).

Esse mesmo casal que vive com a venda de produtos recicláveis que apanha na rua, foi tema de uma reportagem do Acontece Botucatu em 10 de janeiro de 2011, quando moravam em um parco barraco embaixo de uma mangueira às margens da Rodovia Domingos Sartori. Em razão da enxurrada que descia pelo barranco eles deixaram o barraco e foram morar embaixo da ponte na Rondon.

O caso chamou a atenção do então coordenador de Defesa Civil Domingos Chavari Neto, que passou a dar atendimento ao casal. Posteriormente, eles foram sorteados no projeto Minha Casa Minha Vida no Residencial Santa Maria e conseguiram uma das casas, mas permaneceram no local menos de um ano e retornaram à rua e a morar naquela ponte.

Embora vivendo numa situação adversa, o casal mostra um otimismo incomum para a realidade em que vive, mas não reclama da sorte, nem tira o sorriso do rosto. “Tem gente que está em pior situação do que a nossa. Nós temos saúde que é mais importante que tudo. A vida que a gente leva não é fácil, mas não dá pra reclamar. Recolhendo e vendendo o que os outros jogam fora. A gente não ganha muito, mas dá prá levar. Claro que a gente queria estar numa melhor situação, mas vamos levando a vida”, diz o rapaz.

Ele revela que algumas pessoas ajudam, mas não pede esmola na rua. “Não fico pedindo, mas se alguém quiser ajudar a gente não recusa. Nossa situação é essa e não escondemos de ninguém. A gente vive do nosso trabalho sem pegar nada que não seja nosso”, finalizou.