Botucatu promove a 16ª edição do Garçom Cross

O garçom é um profissional indispensável no mundo contemporâneo. Diariamente milhões de pessoas têm contato com esse profissional no almoço, no jantar ou ao tomar um cafezinho. Discreto, habilidoso, atencioso e simpático na medida certa, em alguns casos o garçom é visto como companheiro e como tal já inspirou diversas músicas.

Para lembrar a importância desse profissional, o Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis e Assemelhados de Sorocaba e Região (SINTHORESSOR) realiza no dia 18 de agosto, Dia do Garçom, a 16ª edição do Garçom Cross de Botucatu. O evento será realizado a partir das 14 horas, na Praça Rubião Júnior, em frente a Catedral Metropolitana.

O Garçom Cross é um evento tradicional no setor de bares e restaurantes. Mas ao contrário do que muitos imaginam o evento não surgiu no Brasil. As primeiras corridas de garçons aconteceram na França por volta de 1918. De lá para cá as corridas foram incrementadas por obstáculos e incorporadas pelas entidades sindicais brasileiras, para comemorar o Dia do Garçom.

Segundo o presidente do SINTHORESSOR e também da Federação Interestadual dos Trabalhadores Hoteleiros nos Estados de São e Mato Grosso do Sul, Cícero Lourenço Pereira, o Garçom Cross é o evento de lazer mais importante da categoria e reúne profissionais de diversas empresas da cidade.

“Estima-se que em Sorocaba haja mais de 2.500 profissionais, homens e mulheres, que exercem as funções de copeiro, garçom, barman e sommelier. A expectativa é que a maioria dos profissionais compareça ao evento e que haja um aumento no número de inscritos na competição, em relação ano passado”, afirma Pereira.

O sindicalista explica que, este ano, para atrair mais participantes, o sindicato melhorou o nível da competição. O evento consiste em provas que testam a velocidade e o equilíbrio de garçons e garçonetes, que têm que vencer obstáculos segurando uma bandeja carregada. Ganha quem chegar primeiro sem derrubar nada.

Além da descontração e dos desafios da competição, os profissionais são atraídos pelos prêmios oferecidos pelo sindicato. Este ano, o primeiro lugar vai ganhar uma TV de 32 polegadas, o segundo um micro system e o terceiro uma bicicleta. “Realizamos esse evento para valorizar esse profissional que é tão importante para a sociedade”, disse o presidente.

 

Valorização

 

Ainda sobre a valorização, o presidente destaca que o garçom ou a garçonete ainda tem muito a conquistar para atingir o lugar que os profissionais merecem, principalmente em termos de salários. Os salários em média são de R$ 950,00. “Lutamos para que os valores dos salários sejam proporcionais ao crescimento do setor. Essa é a nossa principal reivindicação nas mesas de negociações”, afirma Pereira.

 

Charme

 

No entanto, os salários baixos não interferem na elegância e no charme da profissão, cujo nome tem origem francesa. É que, quando os franceses chegaram ao Brasil, ao fazer suas refeições em lugares em que quem servia eram brasileiros eles gritavam “Garçom! Garçom!”, palavra que em francês significa “garoto”. Não se sabe por qual motivo, a palavra passou a ser usada como nome da profissão de servir comida e bebida para as pessoas em um restaurante.

Vale lembrar que o restaurante também surgiu na França, após a Revolução Francesa acabar com a aristocracia. Na época, inúmeros serviçais hábeis no trato com os alimentos ficaram sem emprego. Ao mesmo tempo muitos provincianos chegavam à cidade sem pessoas para cozinhar para elas. O encontro desses dois públicos deu origem ao hábito de se fazer refeições fora de casa

 

Indispensável

 

Os tempos mudaram. O nome garçom foi incorporado como profissão e sua importância se tornou cada vez mais visível. A falta de tempo gerada pela multiplicidade de funções de homens e mulheres mudou mais uma vez o comportamento humano e refletiu na forma de se alimentar, valorizando ainda mais a profissão do garçom. Essa mudança também ocasionou uma grande transformação na postura do profissional, que precisou se capacitar e aperfeiçoar as técnicas para servir com qualidade, rapidez e discrição.

Atualmente é quase impossível imaginar como seriam as refeições fora de casa sem os garçons. Para alguns, ele é muito mais do que o profissional responsável por atender os clientes em um bar, café ou restaurante, anotar seus pedidos, servi-los, e, após a saída do cliente, retirar os restos da mesa, limpá-la, de modo que outra pessoa possa ocupá-la. Para estes, o garçom é um profissional sensível, atencioso com quem eles estabelecem uma relação de confiança e amizade.

Por tudo isso, nada mais justo que o garçom tenha um dia para lembrá-lo. Afinal, servir outro ser humano com carinho não é um ato que pode ser substituído por uma máquina e também, além da técnica e da habilidade, servir é uma arte.