Botucatu despediu-se do seu maior criador de curió

Neste domingo, uma triste notícia correu entre os preservacionistas de aves de Botucatu.  Aos 70 anos de idade, morreu um dos maiores criadores de um pássaro nobre conhecido como curió: Milton Francisco de Oliveira. Era bastante conhecido não somente em Botucatu como também em outras cidades brasileiras, onde vários criadores vinham em busca das aves de sua criação, valorizadas pela raça e canto.

Milton que foi um dos fundadores da Associação Ornitológica de Botucatu (AOB) ministrou seus ensinamentos na arte de criar aves a muitos criadores, em especial ao seu filho Milton Roberto de Oliveira,  conhecido como o Beto do Animania, que a exemplo do pai  é um criador preservacionista.

Aos que estavam iniciando um criatório e buscavam seus conselhos  ensinava que a pessoa antes de iniciar uma criação ou mesmo manter pássaros silvestres em cativeiro, deveria estar devidamente registrada ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), para não ter problemas com a Polícia Ambiental.

 “Criar pássaros é um hobby muito salutar, mas manter pássaros silvestres em cativeiro sem autorização é crime”, costumava dizer.  No velório do criador passaram pelo Complexo Funerário Orlando Panhozi,  criadores de diversas regiões.  Milton Oliveira foi sepultado no Cemitério Portal das Cruzes.