Biblioteca da Unesp recebe exposição da Fundação CASA

Aconchego e outros sentimentos transmitidos por meio de cores variadas. Foi assim a exposição ‘Os Pincéis da Esperança’, promovida pela Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo (CASA) Botucatu, que esteve aberta ? visitação no mezanino da Biblioteca do Câmpus, na Unesp, câmpus de Rubião Júnior, até hoje, 20 de julho.

A mostra apresentou 12 quadros produzidos por adolescentes internados no centro de atendimento socioeducativo durante as oficinas de técnicas de pintura, realizadas em 2012. Os quadros são releituras das obras do artista pernambucano Romero Britto.

No trabalho realizado nas oficinas de técnicas de pintura, os educadores estimularam os adolescentes, com base nas imagens já criadas pelo artista, a manifestar seus sentimentos por meio das cores, compreendendo seus significados e criando releituras próprias.

A exposição visa a sensibilizar a comunidade de Botucatu sobre o trabalho realizado pela equipe da Fundação CASA e do Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância (Crami), organização não-governamental que compartilha a gestão do CASA Botucatu.

Por meio da arte e da cultura – entre outras atividades desenvolvidas no centro socioeducativo – busca-se fomentar no adolescente o protagonismo e a criatividade, oferecendo acesso a várias linguagens. “O desenvolvimento humano também passa pela educação e pela arte e, na medida socioeducativa, ajuda na reflexão do jovem”, avalia a diretora do CASA Botucatu, Juliana Rosa.

Camilla dos Santos, agente educacional do CASA, explica que os adolescentes são divididos em grupos de 8 a 10 pessoas e as aulas são oferecidas semanalmente. Segundo ela, que é responsável pelas oficinas, o resultado obtido com as pinturas tem sido bastante satisfatório. “Eles recebem a obra em preto e branco e colorem da forma que julgarem mais adequado. Usam as cores de acordo com sua percepção, o que é muito interessante”, disse.

“Eu nunca tinha trabalhado com arte, nunca tive paciência. Nessas oficinas tive a oportunidade de aprender, desenvolver algo que estava dentro de mim e eu não sabia. Agora podemos mostrar para os outros o que estamos fazendo lá dentro (do CASA) e mostrar que queremos mudar de vida. Quem sabe quando eu sair de lá posso trabalhar com esse tipo de pintura”, declarou um dos adolescentes, de 16 anos, que participou da visita ? exposição na Biblioteca do Câmpus e que também participa das oficinas.

“Gostei muito de participar das aulas porque ocupa a cabeça, a gente não fica pensando em outras coisas. Pintando, você fica menos stressado, alivia a tensão do corpo. Também pretendo continuar pintando depois que voltar para casa”, acrescentou outro jovem de 15 anos, que também faz parte das oficinas e que esteve na Unesp. “No quadro é possível colocar os sentimentos para fora”, completa.

{n}Sobre Romero Britto{/n}

Romero Britto, um dos artistas plásticos brasileiros mais reconhecidos no mundo atualmente, é considerado um ícone da cultura pop moderna, sendo um dos mais premiados artistas de nosso tempo. O artista pop mais jovem e bem-sucedido de sua geração, Britto tem criado obras-primas que invocam o espírito de esperança e transmitem uma sensação de aconchego. Suas obras são chamadas, por colecionadores e admiradores, de “arte da cura”. Sua arte contém cores vibrantes e composições ousadas, criando graciosos temas com elementos compostos do cubismo.

Fonte:
Leandro Rocha
Assessoria de Comunicação e Imprensa da FMB