Bancários encerram greve e voltam ao trabalho

Depois de uma paralisação de 23 dias, os bancários voltam ao trabalho nesta segunda-feira (14), em razão do acordo firmado no final de semana entre representantes dos bancos e o Comando Nacional dos Bancários, quando a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) apresentou uma nova proposta ? categoria.

Com isso ficou acordado que o reajuste dos salários será de 8%, com ganho real de 1,82%. Já os pisos iniciais dos bancários receberão uma correção de 8,5%. Descontada a inflação, a reposição chega a 2,29%. Também ficou decidido que a compensação dos dias parados será feita até o dia 15 de dezembro, no máximo uma hora por dia.

Também o valor fixo da regra básica da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) será reajustado em 10%. Segundo cálculo da Fenaban, a parcela paga da PLR ao profissional que ocupe a função de caixa pode chegar a 3,5 salários. Estão previstos, ainda, reajustes do auxilio refeição, que sobe para R$ 463,60 mensais; da cesta alimentação, que passa para R$ 397,36 e do auxílio-creche para R$ 330,71 por filho de até 6 anos.

A presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Juvandia Moreira, aprovou a proposta indicando avanços. “O aumento real de 1,82% é maior do que a média dos aumentos reais dos bancários desde 2004. Com isso, em 10 anos iremos acumular 18,33% de ganho real nos salários e 38,7% nos pisos. O Comando avaliou que a proposta contempla as principais reivindicações dos bancários”, apontou.