Após repercussão ‘Pastora’ Zélia pede desculpas por divulgação de vídeo em que destrói imagem de Santa

 

A polêmica do vídeo onde uma imagem da Nossa Senhora Aparecida é destruída em uma espécie de culto em Botucatu ainda rende polêmica. A responsável pelas imagens que rodaram todo o país é a Pastora Zélia Ribeiro, que pediu desculpas pela divulgação.

Suas declarações foram feitas ao vivo pelo programa A Marreta, da Rádio Municipalista de Botucatu. O repórter Cristiano Alves e o apresentador Vanderlei dos Santos fizeram a entrevista com a Pastora da Igreja Aliança Com Deus. Nas explicações, ela faz questão de pedir desculpas pelo vídeo divulgado, mas não pelo ato em si.

Zélia disse que nunca quis dar publicidade com a divulgação do vídeo e que apenas estava orando pela alma de uma mulher que havia feito um pedido.

“Não foi essa minha intenção. Eu sigo um Deus que é vivo e a minha intenção naquela hora não era de ofender nem ganhar mídia sobre isso”, colocou.

Pastora ou Irmã Zélia, como é chamada, não explicitava desculpas pelo ato em sí, mas repetiu seguidas vezes que pedia perdão pelo vídeo. “Peço perdão pelo vídeo. Não era minha intenção que o vídeo fosse ter tudo isso que aconteceu. Eu oro para resgatar almas das pessoas que me ligam. Não era essa minha intenção, pois eu prego um Deus vivo”, dizia constantemente a mulher ao Programa.

Imagens TV Tem

Em determinado momento o apresentador Vanderlei dos Santos interrempeu a senhora Zélia para entrevistar também, ao vivo, o Cônego Emerson Anizi da Catedral e Ecônomo da Arquidiocese. Questionado sobre perdoar ou não a pastora, o Padre disse que não cabia a ele perdoar pela crença dela, apenas lamentar o que chamou de fundamentalismo.

“Nós não temos nada nessa questão de perdoar. Não existe um rancor em cima disso. O que quero deixar claro e sempre afirmo, é que o nosso relacionamento com as igrejas evangélicas é sempre muito tranquilho. Pelo que percebi, isso é um fato isolado e pelo que acompanhei, ela se arrepende pelo vídeo e não pelo ato em si. Então eu também não posso julgar nada que a fé que ela acredita é a fé que ela segue. O que me entristece é o fundamentalismo. Mas em relação ao perdão, eu não guardo nada com relação a isso. Eu respeito a fé dela. Entre o que ela faz ou que deixa de fazer, é a fé dela e eu não posso julgá-la. O que me entristece é uma ofensa diretamente com uma fé e uma vida religiosa”, defendeu Padre Emerson aos microfones da Municipalista.

Ao ter a palavra após as declarações do representante da Igreja Católica, a Pastora Zélia, de novo, pediu perdão apenas pelo vídeo. “Mais uma vez pelo vídeo eu peço perdão. Como diz Deuteronômio 5:8, não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra”, colocou citando o trecho bíblico.

Conselho de Pastores se manifesta e lamenta através de nota

Por meio de nota, o Conselho de Pastores da Cidade de Botucatu afirmou na quarta-feira, dia 11, que “não esteve envolvido e nem apoia prática de intolerância religiosa.

“Venho por meio desta nota afirmar que o Conselho de Pastores da Cidade de Botucatu não esteve envolvido e nem apoia nem uma prática de intolerância religiosa. Fazendo dessa nota um pedido de perdão aos nossos irmãos e amigos católicos que se sentiram ofendidos com o vídeo de uma prática isolada que está circulando nas redes sociais.
Seguimos em pregar as boas novas de Jesus Cristo o Salvador de acordo com as sagradas escrituras preservado acima de tudo o amor é respeitado ao próximo”, afirmou Paulo Cruz, Secretário do Conselho de Pastores de Botucatu.

Repercussão nacional

O fato repercutiu nacionalmente não apenas nas redes sociais, mas também na imprensa. Veículos como G1, Rede Globo, Revista Veja, Uol, SBT, Correio da Bahia, entre muitos outros, deram amplo destaque ao fato.

O site da Veja descreve as falas que chocaram a opinião pública. “Quebra toda obra contrária. Teu nome seja glorificado, senhor, Aleluia Jesus, abençoa senhor meu pai. Essa obra feita pelas mãos do inimigo, senhor, agora está sendo quebrada, senhor meu Deus e meu pai, em nome de Jesus”, prega um dos homens no local.

A Veja ainda cita um caso semelhante que ganhou notoriedade em 1995, quando o bispo Von Helde, da Igreja Universal do Reino de Deus, chutou uma imagem de Nossa Senhora em pleno culto, que era transmitido pela TV Record.

O caso gerou muita polêmica e fez com que Von Helder deixasse o país – ele retornou em 2014. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, ele foi condenado a dois anos e dois meses de prisão por discriminação religiosa e vilipêndio de imagem religiosa.

Veja o vídeo