Animais estão sendo “descartados” no Rio Bonito

Embora tenha diminuído, consideravelmente, nos últimos meses, o aparecimento de cachorros e gatos de diferentes espécies na região do Rio Bonito Campo e Náutica ainda causa desconforto a moradores e rancheiros. Há muito tempo aquela região é usada para o “descarte” de cães e gatos. Proprietários param os carros na entrada do Rio Bonito, soltam animais e depois vão embora deixando-os soltos e perdidos. O agravante é que entre os animais estão filhotes recém-nascidos.

Um trabalho desenvolvido pela Associação de Proteção aos Animais (APA), em parceria com a Guarda Civil Municipal (GCM), Polícia Militar Ambiental, Vigilância Sanitária, Canil Municipal e Setor de Zoonoses, minimizou o problema com um amplo projeto de incentivo ? castração. Isso tem evitado que cadelas entrem no cio e procriem.

A voluntária da APA, Maria Isabel Torres Santos revela que a solução para minimizar o problema de abandono de animais é a castração. “Não é raro o proprietário adotar um animal e depois querer se desfazer dele, principalmente, a cadela que entra no cio e procria. Então, a solução é a castração. Somente neste ano foram feitas 1.431 castrações (806 caninas e 625 felinas), média aproximada de oito por dia”, explica a voluntária, lembrando que o processo é gratuito. ”É necessário que a pessoa interessada procure a APA (9701-2088) para que a castração seja agendada”, orienta.

Maria Isabel argumenta que o abandono de animais não acontece somente no Rio Bonito, onde situação está controlada. Enfatiza que a APA mantém contato com moradores de outras localizadas rurais daquela região como Bairro da Mina, Alvorada da Barra e Distrito de Vitoriana. Enfoca que existem casos em que as pessoas querem se livrar dos animais e procuram esses lugares mais afastados para abandoná-los ? própria sorte.

“Esses animais são resgatados, recebem atendimento médico/veterinário, são castrados e disponibilizados para a adoção. Por isso é necessário fazer o controle dos nascimentos”, ensina. “Por outro lado quando uma pessoa observar um animal debilitado abandonado deve acionar o Setor de Zoonoses (150) para que as providências sejam tomadas”, complementa.

Um trabalho interessante é feito com os gatos que são soltos e acabam aprendendo a manter distância do contato humano e deixam aflorar seus instintos selvagens. “Esses animais são capturados através de armadilhas próprias, castrados e soltos no mesmo lugar, sem o perigo de gerar filhotes e a superpopulação”, diz.

Para os cães e gatos abandonados e castrados, a APA também mantém a “Feirinha de Animais” que acontece todas as manhãs de sábado na Praça Comendador Emílio Pedutti – Bosque, onde vários animais ficam expostos para adoção. Também durante a semana os animais permanecem no canil da Clínica Toca dos Bichos, na Rua Damião Pinheiro Machado ? espera de interessados em ter um animal de estimação.