Acessos ? zona rural começam a ser liberados

Máquinas buscam atender primeiro os trechos mais críticos e emergenciais antes de seguir a outras localidades que também estão com acesso comprometido, especialmente a algumas propriedades

 

Após um período de chuvas contínuas entre o fim de 2015 e início de 2016, a Secretaria Municipal de Obras finalmente parece ter conseguido estabilizar outra chuva: a de demandas da população que vive na zona rural de Botucatu e sofreu com o excesso de água vindo do céu. 

A Estrada Municipal Elias Alves (BTC-020), conhecida como Estrada da Bocaina, que dá acesso à Baixada Serrana já foi liberada ao trânsito de veículos. Volumes consideráveis de terra e algumas árvores que caíram foram retirados da pista, que está recebendo apenas acertos finais. 

Outro acesso à Baixada Serrana que recebeu atenção do poder público e já foi liberado para veículos é a Estrada Municipal Geraldo Biral (BTC-465), conhecida como “Estrada da Indiana” (foto), onde foram feitos reparos em duas pontes nas quais as cabeceiras ficaram comprometidas por conta das chuvas.

A Ponte do Capivarinha, na Rodovia Alcides Soares, no Distrito de Vitoriana, é mais um acesso que já foi liberado. Ambas as cabeceiras da ponte foram recuperadas, com utilização de toras de madeira e pedras na sua estrutura. Uma ponte na Estrada Domingos Papa (BTC-080), conhecida como Estrada do Araquá, entre Botucatu e São Manuel, é outra que está recebendo reparos e deve ser liberada nos próximos dias.

A Estrada Gentil Lourenção, em direção ao Rio Bonito, está recebendo uma obra de galeria para aumentar a vazão da água das chuvas naquela localidade. A obra compreende um trecho de 16,5 metros lineares, onde havia apenas uma galeria de 0,80cm de diâmetro. Agora estão sendo colocadas duas tubulações com diâmetro  de 1 metro. A intenção é que a obra seja finalizada até esta quinta-feira (21), caso as condições climáticas sejam favoráveis. No trecho de obras foi feito um pequeno desvio para o trânsito de veículos.

“Estamos com nossas máquinas quase todas elas só na zona rural, buscando atender primeiro os trechos mais críticos e emergenciais antes de seguir a outras localidades que também estão com acesso comprometido, especialmente a algumas propriedades. Mas a população pode ter a certeza que iremos atender a todos. Basta que o cidadão entre em contato com a Secretaria de Obras que incluiremos o serviço à nossa programação”, afirma o secretário municipal de Obras, André Peres.