2ª “Safrinha de São João” acontece neste final de semana

O padre Orestes Gomes, responsável pela Igreja Nossa Senhora Menina, na Vila Maria, depois de promover a 9ª Festa do Milho, em quatro finais de semana no mês de março, que atraiu milhares de pessoas de Botucatu e região, coordena neste final de semana (sábado e domingo) a 2ª “Safrinha de São João”. A festa acontece no pátio da igreja.

A festa segue os mesmos moldes da Festa do Milho e da 1ª Safrinha, oferecendo produtos derivados do milho como: curau, pamonha, bolo, sorvete, pão, pastel, pizza, milho assado, milho cozido, sopa, entre outros. “Nós quando fizemos a colheita do milho utilizados na festa de março, reservamos um espaço onde plantamos milho para ser colhido fora da época”, explica o padre.

Ele conta que, geralmente o milho é plantado no final do ano, para ser colhido depois de 100 dias. “Nós, já pensando na anti-safra, plantamos o milho para mais uma festa fora de época e tudo correu conforme nós planejamos. O milho foi colhido na quinta e sexta-feira (23 e 24, respectivamente) para ser preparado para a festa que começa neste sábado”, colocou Orestes.

Para realizar a 2ª Safrinha Orestes está mobilizando, mais uma vez, pessoas voluntárias da comunidade da Vila Maria para trabalhar nas barracas e na confecção dos produtos para a venda. “São pessoas abnegadas que nos ajudam e sem elas nossas festas inexistiriam. Por causa dessa colaboração é que conseguimos realizar eventos como este”, elogiou.

“Quem vier prestigiar a festa, não vai se arrepender”, observou o sacerdote, lembrando que na 9ª Festa do Milho foram consumidas mais de 35 toneladas do produto nos dias de festa. “Nossa meta é consumir 10 toneladas nos dois dias da Safrinha”.

Está previsto que o pátio de igreja Nossa Senhora Menina se transforme em uma verdadeira linha de produção. Um grupo seleciona e colhe o milho, outro faz o transporte até o pátio da igreja, onde as espigas são descascadas e selecionadas, antes de serem encaminhadas aos outros setores da “empresa“, para que os produtos sejam feitos. Uma parte vai para o cozimento, outra para a trituração. No último estágio da produção tudo é embalado e encaminhado para as barracas específicas onde os produtos são vendidos aos consumidores.