Professor Manivela busca talentos na Ferroviária

O futebol amador em Botucatu já foi muito rico, principalmente entre os anos 60 e 80. Tínhamos verdadeiras seleções e os bons jogadores eram muito disputados. Não foram raros os atletas que saíram do amador de Botucatu e vestiram a camisa de grandes clubes brasileiros, como por exemplo, Zé Maria, Tuca, Neuri, João Marcos, Zé Ito, Séia, Gegê, Lulinha, entre tantos outros.

Alguns, embora não tenham se profissionalizado fizeram história no futebol botucatuense. Entre eles está Benedito Fernando Cardoso, 59 (foto), ou, simplesmente, Dito Manivela, que iniciou sua carreira futebolística jogando como goleiro do SAT – Sociedade Amigos do Tanquinho, em 1963. Depois passou pelos grandes clubes da cidade, como AAF – Associação Atlética Ferroviária e AAB – Associação Atlética Botucatuense.

Foi integrante nos anos 70 da célebre equipe de futebol de salão do BTC – Botucatu Tênis Clube e enfrentou times como o Corinthians Paulista do Medina ou a Sociedade Esportiva Palmeiras do ala Sorage. Naquele time do BTC, dirigido pelo técnico Bolinha, Manivela teve como companheiros: Paulo Amorim, Fernando Mello, Celestrin, Bosco, Mané, Pascoalick, Lulinha, Gildinho, Agenor, Bianchi, Chiquinho Serrão e Paulinho Chocolate.

Hoje Manivela empresta toda sua experiência vivida no futebol a atletas que estão em formação, ou que estão na fase de aperfeiçoamento. Ele cuida das escolinhas de futebol da AAF – Associação Atlética Ferroviária. Um trabalho que chama a atenção em razão da seriedade com que é realizado.

“Antes do atleta vem o homem. Por isso, aqui nós procuramos ensinar os garotos sem gritos ou palavrões, mas sim com muita conversa, muito conselho”, comenta Manivela, ressaltando que realiza os treinamentos em dois períodos. “Treinamos de manhã os garotos que estudam ? tarde e ? tarde os garotos que estudam de manhã. O importante é o garoto estar estudando”, acrescentou.

Nas escolinhas da AAF os 60 atletas inscritos são divididos em grupos de acordo com a faixa etária: iniciação para garotos com 6, 7 e 8 anos; dentinho para 9, 10 e 11 anos; dente de leite para 12, 13 e 14 e dentão para 15, 16 e 17 anos.

“Para se inscrever nas escolinhas do clube o garoto não precisa ser sócio. Ele deve procurar a secretaria do clube, dar seu nome e passar por uma avaliação médica, antes de iniciar os treinamentos. Tudo o que fazemos aqui é monitorado com muito profissionalismo”, coloca Manivela.

“Minha intenção é fazer com que o garoto aprenda a jogar futebol e tenha uma melhor qualidade de vida. Se vai seguir carreira no futebol profissional é uma outra história que não tem nada a ver comigo. Eu só procuro ensinar e se algum clube se interessar por algum garoto a responsabilidade é exclusivamente do pai. Eu não intermedio”, concluiu.

Fotos: Fernando Ribeiro