Pessoas deficientes terão atividades de atletismo

A Prefeitura de Botucatu, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, passa a oferecer a partir deste mês de fevereiro atividades de atletismo para pessoas com deficiências (PCD). As aulas serão realizadas todas as terça e quintas-feiras, das 9 ? s 11 horas, no Estádio Municipal João Roberto Pilan (Inca). Elas são indicadas para pessoas da faixa etária a partir dos 10 anos.

Segundo a professora do projeto, Merielen Fogaça, as atividades visam despertar o interesse pela prática esportiva. “A intenção é incentivar a atividade física na vida dessas pessoas, o que irá gerar mais independência, aumentar a autoestima e qualidade de vida delas”, explica.

Para o secretário de Esportes e Lazer, Antonio Carlos Pereira, este projeto além de visar a qualidade de vida das pessoas também promove a inclusão social delas na sociedade. “Este projeto demonstra que elas têm condições efetivas de desenvolverem estas atividades que os dignificam apesar de suas limitações. É dever do poder público incluí-los na sociedade por meio de ações como estas”, ressalta.

O assessor em Políticas de Inclusão Social, Paulo Malagutte, destaca que o esporte tem se tornado uma importante alternativa para as pessoas com alguma deficiência. “Os resultados das atividades têm interferido positivamente no desenvolvimento e na efetiva participação desta população nos espaços coletivos”, coloca. “Com mais esta importante iniciativa alcançada pela Secretaria de Esportes e Lazer, podemos começar a pensar em competições locais assim como tem ocorrido em alguns municípios do Estado de São Paulo”, complementa.

A Prefeitura de Botucatu, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer, passa a oferecer a partir deste mês de fevereiro atividades de atletismo para pessoas com deficiências (PCD). As aulas serão realizadas todas as terça e quintas-feiras, das 9 ? s 11 horas, no Estádio Municipal João Roberto Pilan (Inca). Elas são indicadas para pessoas da faixa etária a partir dos 10 anos.

Segundo a professora do projeto, Merielen Fogaça, as atividades visam despertar o interesse pela prática esportiva. “A intenção é incentivar a atividade física na vida dessas pessoas, o que irá gerar mais independência, aumentar a autoestima e qualidade de vida delas”, explica.

Para o secretário de Esportes e Lazer, Antonio Carlos Pereira, este projeto além de visar a qualidade de vida das pessoas também promove a inclusão social delas na sociedade. “Este projeto demonstra que elas têm condições efetivas de desenvolverem estas atividades que os dignificam apesar de suas limitações. É dever do poder público incluí-los na sociedade por meio de ações como estas”, ressalta.

O assessor em Políticas de Inclusão Social, Paulo Malagutte, destaca que o esporte tem se tornado uma importante alternativa para as pessoas com alguma deficiência. “Os resultados das atividades têm interferido positivamente no desenvolvimento e na efetiva participação desta população nos espaços coletivos”, coloca. “Com mais esta importante iniciativa alcançada pela Secretaria de Esportes e Lazer, podemos começar a pensar em competições locais assim como tem ocorrido em alguns municípios do Estado de São Paulo”, complementa.