Meninas da ADB fazem greve por salários atrasados

Em razão do atraso de 50 dias de salários, as meninas que fazem parte do grupo de atletas que integram o elenco da equipe da Associação Botucatuense de Desportos (ADB) optaram em paralisar as atividades até que um acordo seja feito. A greve das meninas aconteceu dias depois da demissão do professor Renato Moral, do comando da equipe.

Depois de alguns dias de folga, as meninas se reapresentaram nesta terça-feira (11) e a maioria decidiu que não reiniciaria nenhuma atividade até que os salários atrasados fossem pagos. Elas chegaram a se deslocar ? Associação Atlética Ferroviária (AAF) onde treinam, mas abandonaram o campo e estão evitando o contato com a imprensa.

O presidente da ADB, Tadeu Galhote, conversou com as meninas e está buscando solução para que a situação seja contornada da melhor maneira possível. “Estamos com o pagamento delas atrasado e na busca de investidores que possam nos ajudar a sair dessa situação. Já estivemos com as meninas na tarde desta terça-feira e na próxima sexta-feira (14) a diretoria irá fazer uma reunião para decidir o que irá fazer”, adiantou Galhote.

Ele diz que a equipe tem compromisso somente na segunda quinzena de setembro quando participa do Campeonato da Liga Nacional de Futebol (LINAF). “Os treinamentos estavam previstos para se reiniciarem nesta terça-feira, visando a participação da equipe para esta competição e para os Jogos Abertos do Interior. Acredito que iremos contornar essa situação e tudo voltará ? normalidade”, disse o presidente.

Galhote não acredita que a paralisação das atividades das meninas esteja relacionada com a recente demissão do treinador Renato Moral. “Não queremos acreditar nisso, pois uma coisa não tem nada a ver com outra. Substituições de jogadoras e técnicos são normais em qualquer equipe de futebol. O problema das nossas jogadoras é uma questão salarial que vamos procurar resolver”, disse o presidente. “Não posso acreditar que coisas alheias ao futebol estejam envolvidas nessa movimentação das jogadoras”, emendou.

Sobre a vinda de um novo treinador Galhote apontou que a diretoria está analisando alguns nomes, com bastante calma e sem presa, mas enfoca que, necessariamente, essa pessoa deve estar ligada ao futebol feminino. “O time será comandado pelo professor Gildinho (Gildo Fumes) e pela Nathalia (Galhote – preparadora física), que fazem parte da comissão técnica e conhecem o elenco. Vamos observar como as jogadoras se comportam sob o novo comando, depois que essa situação for contornada e elas retornarem aos treinamentos”, finalizou.