Matheus Sugizaki será homenageado pela Câmara

O professor Matheus Sugizaki, um dos maiores expoentes do judô brasileiro, deverá receber o diploma de Honra ao Mérito, a ser conferido pela Câmara Municipal de Botucatu. A honraria é uma iniciativa do vereador Nenê (PT), pelos serviços que o homenageado presta ao esporte, especificamente, ao judô, um dos esportes que mais deu medalhas em Jogos Regionais e Abertos do Interior para Botucatu.

“Foi através do trabalho do professor Sugizaki que a Cidade de Botucatu é hoje reconhecida no cenário brasileiro do judô. Por tudo que fez e está fazendo pelo esporte e na formação de cidadãos, é merecedor dessa homenagem e tenho certeza de que os vereadores aprovarão a homenagem, de forma unânime”, justificou Nenê.

Nascido em Arandú (SP) em 29 de julho de 1946 é casado há 40 anos com Clara Tizuko Sugizaki, pai de quatro filhos (Cristina, Mário Mateus, Alexandre Ryuzo e Daniele) e avô de quatro netos (João Alexandre, Bárbara, Cynthia e Júlia Tizuko). Chegou a Botucatu em 1965, junto com a família. O pai, Mata Sugizaki, era professor de Judô e fundou uma academia que leva o seu nome.
Em 1966, Mateus passou no vestibular e entrou no curso de Ciências Biomédicas, na Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB) – atual complexo de faculdades que compõe o campus da Unesp no município.

“Como universitário tive a honra de participar de grandes eventos esportivos. Em 1966, fui Campeão Brasileiro Universitário. Em 1967, representei o Brasil na Universiades (Jogos Olímpicos Universitários), onde conquistei o terceiro lugar. Em 1968, fui convocado como representante do Brasil no Campeonato Mundial Universitário de Judô, realizado em Lisboa, onde tive a felicidade de conquistar o título de campeão mundial universitário. Também fui campeão brasileiro, pan-americano e participei de outros mundiais”, lembra.

De acordo com o sensei, disputar uma competição representando o Brasil foi emoção muito forte. “Subir no pódio então é muito mais, só estando lá para saber. Mas a emoção maior foi o campeonato mundial, ver a bandeira do Brasil no lugar mais alto do pódio. Quem já teve essa oportunidade sabe o valor dessa conquista”, comenta Mateus, responsável por treinar muitos atletas que se destacaram representando a Cidade nos mais diferentes campeonatos.

Em 2010 enfrentou um de seus adversários mais difíceis. O diagnóstico de um tipo de câncer no sangue foi uma surpresa. Os meses pareciam anos ? medida que a doença se manifestava. Enquanto isso, a vitalidade e alegria costumeiras davam lugar ao abatimento. Mas, agarrado aos ensinamentos de perseverança que o judô lhe ensinara e, principalmente, no amor e apoio transmitido pelos familiares e amigos, Mateus aplicou um verdadeiro “ippon” no invisível inimigo, mantendo-se em pé no tatame da vida como um verdadeiro samurai, um guerreiro.

Ele diz que traz consigo três verbos: sonhar, ousar, acreditar. “Posso dizer que todas as ações de minha vida, no estudo, no esporte, na profissão, na sociedade e família, as conquistas e sucessos tiveram a sustentação desses três verbos. Se não consegui os resultados esperados em cada ação, posso afirmar que, no mínimo aprendi um pouco mais para tornar minha vida melhor”, finaliza.