Lendas vivas do futebol dão show de bola na AAF

Fotos: Quico cuter

Um grande espetáculo de futebol beneficente aconteceu manhã deste sábado no estádio “Dr. Acrísio Paes Cruz”, da Associação Atlética Ferroviária (AAF) com o jogo envolvendo a Seleção de Master enfrentando os Amigos de Claudio Regina, que formaram a Seleção de Botucatu Master.

O espetáculo reuniu atletas consagrados que já vestiram a camisa de diferentes clubes e da própria Seleção Brasileira. O ingresso para assistir a partida foi um quilo de alimento não perecível ou uma caixa de leite, que será destinado ao Fundo Social de Solidariedade (FSS) do Município. O jogo foi arbitrado por Silvio Camargo, tendo como auxiliares Guilherme Sobrinho e Paulinho.

A Seleção Master entrou em campo com Marola; Zé Maria, Pereira, Toninho Carlos e Vitor; Ezequiel, João Paulo e Zenon; Careca, Serginho Chulapa e Edu. Também entraram no jogo: Chicão, Rosemiro, Marcos Garça, Valdecir, Gilberto Costa, Gaspar, Everaldo e Palhinha.

Para Botucatu atuaram: Agenor; Darci Dezan, Coca, Fuminho e Vadão; Gilberto, Pedrinho Dias e Celestrin; Chico Pilan, João Chavari e Cláudio Regina. Entraram ainda: Valdir D`Império, Paulo Nagibe, Biafra, Pardini, Cesinha, Ademarzinho, Zé Carlinhos e Deoclécio.

Embora sob forte calor, o jogo foi bastante movimentado e a Seleção Master dominou as ações terminando o primeiro tempo em vantagem de 4 a 0. Os gols foram marcados por João Paulo (3) e Serginho Chulapa.

No segundo tempo, com os dois times fazendo várias substituições o jogo ficou ainda mais movimentado e a Seleção Master fez mais quatro gols, através de Serginho Chulapa, Palhinha, Chicão e Vitor. Para Botucatu marcaram Chico Pilan e Cesinha e o jogo terminou em 8 a 2.

“É sempre bom estar em Botucatu fazendo parte de eventos como este. O importante não é o resultado e sim a confraternização entre os atletas e a solidariedade”, colocou Zé Maria, o Super Zé. O lateral Rosemiro foi na mesma linha. “Já estive em Botucatu em mais de dez oportunidades fazendo jogos beneficentes e estarei aqui sempre que for convidado. Na Ferroviária me sinto em casa”.

Para o centroavante Careca foi um reencontro de grandes amigos do futebol. “Nós paramos de jogar profissionalmente, mas não deixamos de bater nossa bolinha nesses encontros. Sempre que posso e quando o joelho deixa estou junto”, disse. Para Zenon não existe um esquema tático definido. “Cada um pega sua camisa e vai pro jogo e tem a liberdade de fazer o quiser dentro de campo, pois importante é dar espetáculo para a torcida”, disse. Serginho Chulapa complementou a seu modo. “Já bati minha bola, fiz meus golzinhos, tomei o meu banho e agora vamos ao churrasco e cerveja, pois ninguém é de ferro”.

O meio campista Celestrin que foi um dos maiores atletas de todos os tempos do futebol varzeano de Botucatu, mostrou que não perdeu a habilidade com a bola nos pés. “Claro que a gente não corre mais como antes, mas ainda dá pra brincar um pouco”, apontou, fazendo uma análise do jogo. “É uma satisfação muito grande estar jogando ao lado desses atletas que são parte viva da própria história do futebol brasileiro”.