Joel Galhardo foi um dos grandes atletas do amador

Por: Jair Pereira de Souza

 

No desfile pelo gramado de grandes jogadores que brilharam nos campos de Botucatu não poderia faltar Joel Francisco Galhardo, que se iniciou como jogador na quadra da Cecap e campo do Tanquinho.

Seu primeiro campeonato oficial foi no Dente de Leite pela Cecap, mas não demorou em ser convidado para atuar pelo juvenil da Associação Atlética Botucatuense (AAB),  mas foi no AC Rodoviário que ingressou no futebol amador, passando pelo Bairro Alto, onde foi duas vezes campeão. Também foi bi-campeão atuando pelo Brasil de Vila Maria, Boa Vista e Serve Tudo e campeão pelo Alvorada e Cohab I.

Fora de Botucatu vestiu as camisa de Porangaba, Bofete e São Manuel (Palmeirinha e  Fazenda Salto) e também jogou pelo Veteranos da Duratex em Borebi, sendo campeão. Também defendeu Botucatu em Jogos Regionais e por 13 anos jogou pelos veteranos do Mais de 30 e três anos no time do Daniel Futebol Clube.

Também se destacou no futebol de salão jogando pelo Banespa, aonde ganhou seis campeonatos dos bancários e campeão Brasileiro representando o Banespa de Botucatu que tinha como técnico e jogador Bosco Antunes.

Enfim, a trajetória deste jogador é de um grande campeão, um dos jogadores que mais ganhou campeonatos no amador de Botucatu,  sempre muito requisitado pelos times de Botucatu pela sua qualidade técnica.  Conheça um pouco mais de Galhardo em entrevista ao Acontece.

 

Alegria e emoção

“Foi quando jogava pelo Alvorada, contra o time da Caio. Precisávamos apenas do empate para sermos campeões e estávamos perdendo por 1×0. Aos 45 minutos do segundo tempo aconteceu um pênalti a nosso favor. Bati e converti em gol. Fomos campeões em um dia de muita emoção e que nunca esqueço”.

 

Momento de tristeza

“Vem-me a lembrança uma final entre Bairro Alto e Pardinho e neste jogo também jogávamos pelo empate. Entretanto, acabamos perdendo o jogo por 1×0. Foi uma tristeza muito grande ter perdido aquele jogo e, por conseqüência,  o campeonato”.

 

Gol  mais bonito

“Lembro-me de uma  partida contra o EC Inca, quando atuava pelo Bairro alto. Em um cruzamento de escanteio a bola caiu na área e houve o rebote. A bola veio em minha direção e chutei de primeira, acertando no ângulo. Foi um belo gol que nunca vou me esquecer”. 

 

Principal qualidade

“Considerava-me um jogador técnico, porque tinha um bom passe, lançava bem e tinha chute forte. Fazia muitos gols fora da área, alguns de faltas. Sou destro, mas também tinha facilidade para chutar com a perna esquerda”.

 

Jogador marcante

Sem dúvida foi o Chura. Era um jogador muito técnico, difícil perder uma bola, sabia proteger e tinha um domínio bonito de bola. Posso dizer que com este jogador me entendia muito dentro de campo”.

 

Carreira profissional

“Estive no Operário de Campo Grande-MS por dois anos, mas acabei não ficando porque era muito longe e a saudade da família era grande. Voltei a  Botucatu para fazer o Tiro de Guerra e trabalhar como bancário, desistindo de seguir a carreira, mas não me arrependo. Continuei jogando futebol onde fiz muitos amigos e tive uma carreira vitoriosa no futebol amador e no salão”.

 

Paixão pelo futebol

“Sou apaixonado pelo futebol e ainda jogo minha bolinha disputando o campeonato suíço na AA Botucatuense na faixa mais de 50, que hoje é um dos campeonatos mais comentado da cidade e dá oportunidade a todas as faixas etárias. Ali você tem oportunidade de rever os grandes craques que jogaram na época em que o Campeonato Amador de Botucatu era forte e tinha grandes times,  levando grande quantidade de  torcedores aos campos de futebol aos domingos”.