Inclusão Esportiva recebe investimento de R$ 3,5 milhões

Todo o controle para a gestão da energia será feito com acesso remoto, tanto para comando da piscina, tratamento da temperatura por meio de rede ou internet  e até por celular será possível realizar estas ações

 

Nesta semana teve início a instalação do sistema solar e elétrico das piscinas do Centro de Inclusão Esportiva de Botucatu, localizado na Avenida Rafael Serra, Vila Auxiliadora (ao lado do Ginásio Municipal de Esportes). A previsão de término dos serviços nas piscinas é para fevereiro de 2016.

Segundo Geovani de Castro Fonseca, um dos sócios da empresa Estrela das Águas, vencedora da licitação para realizar o serviço, o sistema instalado é um dos mais modernos que existem no mercado. “Consiste em um sistema de aquecimento econômico com um aporte auxiliar elétrico e automatização. Todo o controle para a gestão da energia será feito com acesso remoto, tanto para comando da piscina, tratamento da temperatura por meio de rede ou internet. Até por celular será possível realizar estas ações”, informa.

O Centro de Inclusão Esportiva de Botucatu, além das piscinas aquecidas  (uma para hidroterapia e outra semiolímpica com quatro raias), também contará com salão de fisioterapia, vestiários e administração. No mesmo local também está instalado o Centro de Tecnologia e Inclusão Social que contempla salas para oficinas de orientação profissional, cultural (teatro/vídeo), artesanato, tecnologia em informação e comunicação, Acessa São Paulo, pátio de convivência, sanitários adaptados, recepção, diretoria, secretaria e anfiteatro para 200 pessoas. 

Com investimento superior a R$ 3,5 milhões, fruto da parceria entre Prefeitura de Botucatu e Governo do Estado, as duas obras também fazem parte das 45 obras em andamento pela ação de governo “Acelera Botucatu”. O secretário municipal de Esportes, Lazer e Turismo, Antonio Carlos Pereira, está bastante otimista para que a entrega ambos os centros de inclusão sejam entregues dentro do prazo estimado, ou seja, ainda no primeiro semestre de 2016. 

“Ambos deverão se configurar como espaços de referência no desenvolvimento de habilidades pessoais, de promoção da saúde e de bem estar de toda população. Especialmente das pessoas com algum tipo de deficiência ou mobilidade reduzida. As atividades neles promovidas serão voltadas para o desenvolvimento profissional, cultural, físico e psicológico. Tudo acompanhado por profissionais”, destaca.