Grandes lutas de MMA marcam o final de semana na AAB

Fotos: Luiz Fernando

Com a presença de um bom público, o ginásio poliesportivo da Associação Atlética Botucatuense (AAB) sediou neste sábado (08) a um torneio regional de lutas do MMA (Mixed Martial Arts) ou Artes Marciais Mistas, promovido pela Academia DFC (Detonação Fighting Championship), de Barra Bonita.

Participaram do evento atletas representando as cidades de Botucatu, Marília, Brotas, Lençóis Paulista, Piracicaba, Jaú, São Manuel e Itatinga. O maior número de atletas foi cedido pela Academia Miquinho de Botucatu que competiu em 05 das 10 lutas programadas, tendo como professor, Anderson “Banana” Silva, e possui academias nas cidades de São Manuel, Botucatu e Itatinga.

No MMA os lutadores, divididos em categorias, de acordo com o peso, usam tanto golpes de combate em pé quanto técnicas de luta no chão, assim como uma grande variedade de técnicas permitidas de artes marciais como golpes utilizando os punhos, pés, cotovelos, joelhos, além de técnicas de imobilização, tais como lances e alavancas. Em razão disso, é conhecida como luta vale tudo, onde são aplicados golpes de boxe, muay thai, jiu jitsu, karatê, judô, entre outras.

A organização do evento ficou ? cargo dos empresários Juber Junio, Tiago Vilhena, Eduardo Dias e Luis Fernando. Na apresentação dos atletas esteve Betão Sangerotti. “Foi um evento muito bom e isso mostra que o MMA está vivendo seu melhor momento e mostra porque é, atualmente, um dos esportes mais praticados do mundo. O saldo em Botucatu foi bastante satisfatório”, disse Juber Junio.

As lutas foram iniciadas com o confronto entre Nelson Gustavo da Academia Miquinho enfrentando Tayron Pedro, de Jaú, na categoria até 77 quilos. O botucatuense foi nocauteado aos 1min47seg do primeiro assalto. Na sequência outro lutador da Academia Miquinho, Danilo Massaruto sofreu o nocaute aos 3min51seg, do primeiro assalto ao enfrentar Gabriel Coloniso, de Barra Bonita.

Na terceira luta, Felipe Cardoso, mais um representante da Miquinho entrou no octógono e fez uma grande luta, na categoria até 85 quilos, com Wellington da Silva, que castigou seu adversário Felipe Cardoso, de Barra Bonita, fazendo com que ele desistisse aos 4min17seg do segundo assalto.

A quarta luta da noite envolveu os lutadores Paulo Cezar Alves, da Miquinho e Caio Alcântara, de Marília, na categoria até 85 quilos e teve decisão por pontos. Depois de três assaltos bastante equilibrados os jurados deram vitória ao representante de Botucatu. A quinta luta foi rápida e inquestionável. David Teixeira aplicou uma bonita chave de braço em Deivid “Febem”, finalizando aos 53 segundos do primeiro assalto.

Já a sexta luta da noite teve um aspecto interessante. O lutador Diego “Cachopa” Valim, depois de vencer os dois primeiros assaltos e estar em vantagem no terceiro, acabou vacilando e permitiu que o adversário, Soneca, lhe aplicasse uma chave de perna, quando estavam em luta de solo. Com isso Cachopa perdeu uma luta considerada ganha.

Foi a sétima luta que gerou manifestação do público com relação a decisão dos juízes que depois de analisarem os três assaltos disputados, deram vitória por pontos a David Black, da Barra Bonita que lutou contra Sakuraba, de Lençóis Paulista. O público entendeu que a luta teria sido vencida por Sakuraba, que no final do segundo assalto recebeu um chute no rosto quando estava caído, golpe que não é permitido e causou manifestação no público presentes.

A luta dos pesos pesados, oitava do evento, com peso até 100 quilos foi a mais rápida da noite. Rafael Strike, de Barra Bonita, precisou de apenas de 42 segundos para fazer com que Júio Centauro, de Brotas, desistisse da luta. Ao receber um forte chute do joelho Centauro foi para o chão. Recebeu mais dois chutes no mesmo local e sinalizou ao juiz sua desistência.

A penúltima luta da noite trouxe o botucatuense Van Damme ao octógono, da Academia Xeque mate, que enfrentou Gustavo Sandoval, de Piracicaba, na categoria até 93 quilos. Os dois iniciaram a luta com violenta troca de golpes. Um deles atingiu a testa do lutador de Botucatu, abrindo um grande corte. A luta foi paralisada para que Van Damme recebesse os cuidados médicos. No reinicio houve nova troca violenta de golpes e Van Damme voltou a sagrar muito no mesmo local. Para preservar a integridade física dos atletas, os médicos optaram em interromper a luta, antes do término do primeiro assalto.

Na 10ª e principal luta da noite, única que houve disputa do cinturão do DFA, Caio Moikano, de Barra Bonita, enfrentou o paranaense Gustavo “Guzin” Mendonça, na categoria até 70 quilos. Ambos já bastante conhecidos no interior paulista. Deu-se melhor Caio Moikano que reverteu uma desvantagem na luta de solo, aos 3min26seg do primeiro assalto, aplicando uma chave de perna em seu adversário que desistiu. Como a luta era válida pelo título, a previsão era de cinco assaltos de cinco minutos cada. O confronto foi mediado pelo juiz Vagner Mercúrio.