CASA de Botucatu não consegue medalhas em Olimpíada

Os adolescentes em regime de internação da Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente (CASA), de Botucatu, não conseguiram bons resultados na VI Olimpíada da Fundação CASA, realizada no Complexo Poliesportivo Constâncio Vaz Guimarães, no Ibirapuera, em São Paulo. Os meninos de Botucatu estiveram participando das provas de atletismo, mas nenhum dos quatro que viajaram para a capital paulista conseguiu lugar ao pódio.

Os jogos olímpicos da Fundação CASA, foram disputados entre os dias 1º a 4 de novembro e durante os quatro dias de competição, os adolescentes competiram em seis modalidades esportivas. O evento que reuniu 1.100 adolescentes de 80 unidades do Estado e é o maior evento esportivo do mundo voltado a adolescentes em conflito com a lei.

Com duas medalhas de ouro no placar geral, os internos dos centros socioeducativos Madre Teresa de Calcutá I e II, de Iaras, foram os campeões. A vitória da Madre Teresa foi obtida nesta sexta-feira (11), durante o último dia de competições, destinado ao atletismo. As casas Juquiá, do complexo do Brás (Capital) e Três Rios (também de Iaras) empataram na segunda colocação com uma medalha de ouro e uma de prata cada. No feminino, os centros socioeducativos de Cerqueira César obtiveram o melhor desempenho.

O objetivo da realização da VI Olimpíada da CASA é o de usar o esporte como mecanismo de educação. As modalidades esportivas que foram disputadas são: cinco coletivas (futsal, futebol, vôlei, handebol e basquetebol) e uma de atletismo (100m, 4 x 100m, 400m, 1.500m e arremesso de peso).

A cerimônia de abertura da VI Olimpíada teve desfiles das delegações dos centros socioeducativos. Logo após, o maestro João Carlos Martins tocou o Hino Nacional Brasileiro. “A VI Olimpíada coroa um trabalho de seis anos realizado pela Superintendência Pedagógica a partir de sua Gerência de Educação Física e Esporte”, destacou Berenice Giannella (foto), presidente da CASA. “Nós temos o esporte como um instrumento de transmissão de valores, como ética, disciplina e respeito ao próximo”, emendou a diretora, lembrando que para deixar a festa mais atrativa aos adolescentes, a VI Olimpíada contou com um Festival de Cultura Urbana.

Vale lembrar que desde a I Olimpíada, que aconteceu em 2006, personalidades do esporte brasileiro participam da abertura dos jogos olímpicos. Entre eles estão: a saltadora com vara Fabiana Murer, os ex-jogadores de futebol Raí de Oliveira e Zé Maria, a ex-jogadora de basquete Magic Paula, o ex-jogador de vôlei Montanaro e o nadador paraolímpico Daniel Dias.

{n}Esporte na CASA{/n}

Berenice Gianella enfoca que o Esporte é um dos atores principais dentro da nova história que a Fundação CASA está escrevendo. “Ele faz parte de um rol de atividades pedagógicas que incluem a educação profissional básica, a escola formal e oficinas de arte e cultura ministradas diariamente em todas as unidades da Fundação CASA voltadas ? medida socioeducativa de internação”, diz.

Lembra que todo este trabalho tem sido possível por conta do processo de descentralização do atendimento, desencadeado em 2006 a partir da construção de novas e pequenas unidades, com o objetivo de fazer com que os adolescentes fossem atendidos próximos de suas famílias, em suas cidades e regiões de origem. Até o final do ano, serão 61 novos centros socioeducativos.

“Este programa, que incluiu a capacitação dos funcionários da CASA para um atendimento de qualidade e individualizado, fez com que a reincidência na internação caísse de 29% para 13% nos últimos seis anos e colocasse a instituição como exemplo para o País no atendimento socioeducativo”, conclui.