Brasil detona a Espanha e conquista Copa das Confederações

Fotos: Divulgação

Do Oiapoque ao Chuí o grito de “é campeão” que estava entalado há vários anos na garganta do brasileiro soou mais forte do que nunca na noite deste domingo (30). Com um verdadeiro show de futebol a Seleção Brasileira derrotou a Espanha, considerada a melhor seleção do mundo da atualidade por 3 a 0, na final da Copa das Confederações disputada no Estádio Mário Filho – Maracanã.

Ovacionada por um público de mais de 70 mil torcedores, a equipe de Luiz Felipe Scolari não tomou conhecimento do favoritismo da Espanha e aos 2 minutos do primeiro tempo abriu o marcador através do atacante Fred aproveitando um cruzamento de Hulk. Mesmo caído Fred tocou por cima do goleiro Casillas e abriu o marcador.

Apesar da vantagem o Brasil permaneceu jogando melhor que o time espanhol e perdeu outras oportunidades de aumentar o placar. Porém, aos 44 minutos, mais um duro golpe no favoritismo dos espanhóis, quando Oscar tocou para Neymar na entrada da área. Este chutou de perna esquerda para fazer o segundo gol brasileiro.

Antes dos três minutos do segundo tempo, Fred acabou com qualquer pretensão do time espanhol ao fazer o terceiro gol do inspirado selecionado brasileiro. Poucos minutos depois Jesús Navas, que havia acabado de entrar, foi derrubado por Marcelo dentro da área e a arbitragem, em cima do lance, marcou pênalti. Entretanto, Sergio Ramos chutou para fora.

Com a vitória o selecionado brasileiro saiu da desconfiança a um título incontestável. O time de Felipão encerrou a competição de maneira invicta com cinco vitórias nos cinco jogos disputados: Japão (3 a 0); México (2 a 0), Itália (4 a 2); Uruguai (2 a 1); e Espanha (3 a 0).

O Brasil foi campeão jogando com: Julio Cesar; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho (Hernanes) e Oscar; Hulk (Jadson), Neymar e Fred (Jô). Técnico – Luiz Felipe Scolari.

Já a Espanha formou com: Casillas; Arbeloa (Azpilicueta), Sergio Ramos, Piqué e Jordi Alba; Busquets, Iniesta e Xavi; Mata (Jesus Navas), Pedro e Fernando Torres (David Villa). Técnico – Vicente Del Bosque.