Botucatuenses vencem Olimpíada de Foguetes no Rio

Botucatu esteve representada na Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG), evento de encerramento da Olimpíada de Foguetes vinculada a Olimpíada de Astronomia, por estudantes do CE 228 – SESI Botucatu. Os alunos botucatuenses são estudantes do ensino médio: Vitor Alcoléa, Rafael Ulisses Petricone, Gabriel Nascimento Sebastião e William da Silveira, sob orientação do professor Wagner Garcia Pereira. Para chegar ao Rio de Janeiro, os alunos passaram por seletiva que reuniu cerca de 40 mil estudantes de todo Brasil.

A equipe recebeu o nome de Apollo 13 e teve patrocínio do SESI e dos pais dos alunos. O objetivo foi apresentar um projeto de foguete com garrafa pet, utilizando vinagre e fermento em pó para lançar o foguete e atingir a maior distancia horizontal. A Mostra aconteceu na cidade de Barra do Pirai, Rio de Janeiro, em um hotel fazenda, local apto e seguro para o lançamento dos foguetes.

Os estudantes competidores tinham o desafio de fazer uma apresentação sobre o projeto do foguete de garrafa pet que construíram, para uma equipe de 44 avaliadores. Foram 45 equipes representando 17 estados brasileiros e Botucatu ficou em primeiro lugar na apresentação. Também no lançamento de foguete a equipe botucatuense foi campeã com um lançamento que atingiu a distância horizontal de 230,9 metros.

“O projeto de nossa equipe chamou a atenção dos engenheiros presentes e de outras equipes que solicitaram contatos e parcerias para desenvolver novos projetos”, conta o professor Wagner Pereira, lembrando que os alunos ganharam troféu, livro autografado pelo astronauta Marcos Pontes, bolsa de iniciação científica e passaporte para o acampamento Aeroespacial “SpaceCamp”, que acontecerá em janeiro de 2013 e será uma oportunidade para os alunos se aprofundarem ainda mais na área.

A iniciativa foi da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), contando com o apoio da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), da Agência Espacial Brasileira (AEB), da Fundação Marcos Pontes, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

Além da competição, propriamente dita, o programa teve palestras de astrônomos e especialistas em astronomia e astronáutica, além de oficinas didáticas. As atividades deram destaque especial ? fabricação e ? utilização dos foguetes brasileiros na área de pesquisa espacial. Os grupos foram selecionados a partir da Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG), antiga Olimpíada Brasileira de Foguetes (OBFOG). A edição de 2012 recebeu, aproximadamente, 40 mil participantes.

{n}A competição{/n}

A Mostra de Foguetes foi aberta aos alunos de escolas públicas e privadas com a finalidade de avaliar a capacidade dos jovens de construir e lançar, o mais longe possível, foguetes feitos de garrafa pet ou de canudo de refrigerante. Somente os participantes do nível 4 (projetos de foguetes de garrafa pet) são convidados para a jornada. Além da distância dos protótipos, registrados em vídeo, os trabalhos também são avaliados por meio dos relatórios enviados pelos estudantes e professores ? coordenação da MOBFOG.

Durante o evento, os participantes apresentaram os foguetes de garrafa pet que foram lançados em uma pista de pouso de um hotel-fazenda. Para a execução da prova, o material foi devidamente fixado na base presa ao chão com grampos. Em inclinação de 45º, foi apontado em direção livre de pessoas, árvores altas, fios elétricos, estabelecimentos ou residências, mantendo todos afastados em um diâmetro de 10 metros.

Para o combustível, usa-se a força de empuxo gerada a partir do gás produzido pela mistura química de vinagre com bicarbonato de sódio (fermento em pó) e os vencedores definidos a partir da combinação ideal entre o volume do material, a quantidade e o tamanho das aletas (superfícies utilizadas para a dissipação de calor), o ângulo de lançamento, a direção do vento e o tamanho e o peso do foguete. O júri foi composto pelos professores de todas as equipes presentes. A banca examinadora analisou acabamento e originalidade do foguete; acabamento e originalidade da base; segurança e apresentação da equipe participante.