Bombeiro representa São Paulo no Espírito Santo

O sargento Claudenir Celestino de Jesus, do Corpo de Bombeiros de Botucatu integrou a equipe de 16 guarda-vidas que representaram o Estado de São Paulo, no XVI Campeonato Brasileiro de Salvamento Aquático e o XIII Simpósio Internacional de Salvamento Aquático, em Vitória, no Espírito Santo.

O evento coordenado pela Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa) contou com a participação de, aproximadamente, 300 guarda-vidas militares e civis de 15 Estados do Brasil e, inclusive, atletas internacionais.

Além das competições, houve um seminário que discutiu sobre formas de prevenção e técnicas em salvamento aquático (mar, piscina, rios, enchentes e inundações). O objetivo deste campeonato é melhorar o conhecimento, a integração entre os serviços de salvamento, bem como reduzir o número de afogamentos no Brasil.

As provas foram realizadas no mar e na piscina. Das sete provas disputadas, Celestino venceu cinco delas e ficou em segundo nas outras duas. Esse expressivo resultado rendeu ao bombeiro botucatuense o troféu de “guarda-vidas de ferro” na sua categoria.

Para participar do campeonato Celestino teve que disputar a prova de aquatlon, com o percurso de 1km de corrida na areia, 1km de natação no mar e mais 1km de corrida na areia No mesmo dia ainda participou das provas de resgate de vítima com flutuador (tubo de resgate) e com pranchão (long bord) as quais a vítima ficava na água à uma distância aproximada da 120 metros da faixa de areia.

Também participou das provas de piscina, iniciou com o resgate de manequim com percurso de 50 metros sem nadadeiras e depois o resgate de manequim com o percurso de 100 metros com nadadeiras. Nestas provas teve tem que resgatar um boneco específico para treinamento e competições deste gênero e transportá-lo utilizando as técnicas preconizadas para o salvamento de vítimas. Por fim, defendeu a equipe paulista no revezamento 4×25 metros com manequim e 4×50 metros medley.

O propósito da competição é criar um estímulo motivacional para o treinamento utilitário. Quem se dedica para o esporte, com certeza estará técnica, física e psicologicamente preparado para atuar em uma situação real. É conveniente lembrar que, para as situações de afogamento, o melhor é não colocar em prática nada disto, pois o que vale mesmo é a prevenção.