Alunas de Pole Dance vão às ruas para divulgar o esporte em Botucatu

aluna-gata-malhada-2Nos dois últimos finais de semana, 8 e 9 e 15 e 16 de outubro, o Pole Dance, modalidade onde realiza-se acrobacias em uma barra vertical, invadiu pelo quarto ano consecutivo as ruas, praças públicas e pontos turísticos de várias cidades brasileiras. A iniciativa da campanha nacional é da FBPOLE (Federação Brasileira de Pole Dance), que luta pela legitimação da modalidade e seu reconhecimento como esporte.

O convite para participar dessa mobilização foi feito através das redes sociais, pela própria presidente da Federação, Vanessa Costa.

lu-zaparoli-2Vários estúdios da modalidade participaram em todo país e Botucatu não ficou de fora. Quem representou a cidade foi o Studio Gata Malhada, com a instrutora e proprietária, Luciane Zaparoli, levando algumas de suas alunas para a rua e fazendo bonito nessa grande mobilização.

O objetivo da campanha é contribuir para a divulgação da modalidade e principalmente chamar a atenção das autoridades para a sua legitimação. As praticantes foram fotografadas realizando acrobacias em postes públicos e postaram as fotos em seus perfis nas redes sociais.

A instrutora Cissa Raphael, do estúdio Kinesfera, o pioneiro da modalidade em Botucatu, também deu a sua contribuição para a mobilização, realizando um lindo ensaio fotográfico nas belas paisagens do bairro Demétria.

O Pole Street, como é chamado o Pole Dance realizado nas ruas, já é comum em muitas cidades do Brasil e do mundo, mas ainda é pouco praticado e pouco conhecido em nossa cidade.

“Os exercícios feitos no Pole Street não são exatamente iguais aos que conseguimos fazer em estúdio, com ambiente e barras apropriadas. Mas sem dúvidas é possível se exercitar bem utilizando os postes, e assim conseguimos divulgar o Pole Dance, mostrando que nossa atividade física pode ser praticada com bastante liberdade e sem restrições”, afirma Luciane.

cissa-raphaelHomens também são adeptos da modalidade, mas em menor proporção. Em sua grande maioria são as mulheres que aderem ao Pole como esporte e estilo de vida.

Sem restrições de idade ou exigência de condicionamento anterior, o pole é bem democrático, oferecendo condicionamento físico e aumento da autoestima aos seus praticantes.

“Além da legitimação da modalidade, esse movimento ajuda a quebrar os preconceitos e pede reconhecimento ao esporte que vem ganhando cada vez mais adeptos em todo país”, segundo Luciane.