Aberta licitação para o Centro de Inclusão Esportiva

A Comissão Permanente de Licitações (Copel) da Prefeitura de Botucatu abriu os processos licitatórios para contratação das empresas que executarão a construção do Centro de Tecnologia e Inclusão Social e do Centro de Inclusão Esportiva. Os dois novos equipamentos, voltados prioritariamente ao atendimento das pessoas com deficiência, serão erguidos junto ao ginásio municipal de esportes, no Bairro Alto, por meio de convênio celebrado entre o município e o Governo do Estado.

A abertura dos envelopes com as propostas das empresas que participarão do certame para construção do Centro Tecnologia e Inclusão Social está marcada para o dia 10 de dezembro. O custo da obra foi estimado em R$ 2.180.173,34 e o prazo para sua execução é de 8 meses. No dia seguinte serão conhecidas as propostas para construção do Centro de Inclusão Esportiva, orçado em R$ 1.541.341,87, que também deverá ser entregue no prazo de 240 dias.

O Centro de Tecnologia e Inclusão Social terá pouco mais de 1.600 metros quadrados de área construída e contará com Oficina de Orientação Profissional, Oficina Cultural (Teatro/Vídeo), Oficina de Artesanato, Oficina de Informática, Oficina Multiuso, Acessa São Paulo e Acessinha São Paulo, Pátio de Convivência, anfiteatro, sanitários adaptados, recepção, diretoria, secretaria e anfiteatro para 200 pessoas.

Já o Centro de Inclusão Esportiva contará com quadra poliesportiva, salão de fisioterapia, vestiários, administração, piscina de hidroterapia (aquecida) e piscina semi-olímpica com 4 raias (aquecida).

No ato de assinatura dos convênios ocorrido no Palácio dos Bandeirantes, no final do ano passado, a secretária Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Rizzo, ressaltou a importância deste tipo de parceria com os municípíos. “Nosso desafio é a inclusão de 9 milhões de paulistas. Isso só será possível se avançarmos na transversalidade dentro das políticas de inclusão social”.

Na ocasião, o prefeito João Cury Neto falou em nome dos municípios e ressaltou a existência de milhões de excluídos no Brasil que necessitam de um olhar diferente por parte dos governos. “Há um segmento que carece de um tratamento especial. Em Botucatu, criamos uma assessoria, dentro do gabinete, para tratar dessas questões e transformá-las em uma política de governo, dialogando com todas as pastas”.

Sobre os convênios assinados, o prefeito disse que esse é o caminho adequado, já que o Governo do Estado descentraliza a aplicação do dinheiro e exige contrapartida dos municípios que passam a ser obrigados a contingenciar recursos para fazer frente aos investimentos.

“Gostaria de agradecer o governador Geraldo Alckmin pela forma como enxerga e trabalha as questões que envolvem a pessoa com deficiência. Esse é um governo que discute metrô, rodoanel, mas não deixa de enxergar as pessoas. Gosta de gente. Infelizmente não é possível construir em cada município centros como o que estamos recebendo. Botucatu, pelo projeto que apresentou, terá o privilégio de contar com esse equipamento, que atenderá toda nossa região. Há muitas pessoas com deficiência que estão em casa, esperando uma oportunidade para ingressar no mercado de trabalho. É para essa gente que vamos trabalhar”, declarou João Cury.

A assinatura dos convênios entre o Governo do Estado e a Prefeitura de Botucatu foi comemorada por representantes das entidades que acompanharam a cerimônia no Palácio dos Bandeirantes. São elas: APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), APAPE (Associação de Pais e Amigos de Pessoas com Necessidades Especiais), Adefib (Associação dos Deficientes Físicos de Botucatu), Espaço São Micael, CIEJA (Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos), Escola Municipal de Educação Especial “Professora Nair Peres Sartori” e NAPE (Núcleo de Atendimento Pedagógico Especializado “Alcyr de Oliveira”).