Unesp capacita veterinários para diagnosticar a raiva

A Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp, câmpus de Botucatu, em parceria com o Instituo Pasteur e com o Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria do Estado da Saúde, promoveu, no dia 10 de junho, o Curso de Capacitação em Coleta e Envio de Material para Diagnóstico de Raiva Animal.

O evento reuniu 44 participantes, a maior parte deles médicos veterinários responsáveis pelo Programa de Controle da Raiva Animal dos municípios do Grupo de Vigilância Epidemiológica da Região de Botucatu, que compreende 30 municípios. Também participaram residentes da área de saúde pública das unidades da Unesp que mantêm cursos de Medicina Veterinária (Botucatu, Araçatuba e São Manuel).

Segundo Maria Lucia Vieira da Silva Cesar, médica veterinária da Secretaria do Estado da Saúde, no subgrupo de vigilância epidemiológica de Avaré, que pertence à regional de Botucatu, a solicitação da capacitação foi feita pelo Instituto Pasteur, que supervisiona o Programa de Controle da Raiva em São Paulo. “Como a nossa regional utiliza o laboratório da FMVZ/Unesp como referência no diagnóstico da raiva, procuramos o professor Helio Langoni que, prontamente, se pôs à disposição para o treinamento dos veterinários dos municípios.

Além de capacitar os profissionais, o curso busca sensibilizar para a importância da realização do exame. “Os nossos municípios tem um déficit grande nessa coleta e envio do material que será usada no diagnóstico da raiva. Portanto, o curso também é uma sensibilização para a importância do diagnóstico da raiva”, conta Maria Lucia. “Muitos municípios são silenciosos, não sabemos se há circulação ou não do vírus da raiva porque eles não fazem essa coleta sistemática”.

Com aulas teóricas e práticas, a programação abordou aspectos epidemiológicos na raiva animal; a situação dos encaminhamentos de material para diagnóstico da raiva animal na região de Botucatu e aspectos do diagnóstico laboratorial, de acordo com o Programa de Controle da Raiva Animal, incluindo obtenção de material cerebral e aspectos de controle e profilaxia.

Para o professor Hélio Langoni, do Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, a realização do curso contribui para uma tendência de que Botucatu se torne um polo regional para recebimento de material para diagnóstico da raiva. “O laboratório da FMVZ é credenciado dentro do programa de controle da raiva, supervisionado pelo Instituto Pasteur. Um curso dessa natureza é uma atividade importante da faculdade que busca atender uma demanda da Secretaria de Saúde. Temos que cumprir o nosso papel”.