Turismo quer escolas de samba atreladas com as comunidades

O subsecretário de Turismo, professor Fredi Vanderlei Pimentel, que assumiu a pasta há poucos dias, se reuniu esta semana com diretores das escolas de samba e blocos carnavalescos da cidade para definir as diretrizes do desfile do carnaval de rua de 2011, marcado para acontecer na Rua Amando de Barros. A reunião de Pimentel com os diretores foi agendada pela assessora de eventos, Luciana Alho, que vem sendo o elo de ligação entre o Turismo e os diretores carnavalescos.

“Foi uma reunião interessante, onde pude debater com os diretores sobre o carnaval do ano que vem, assim como discutir eventos onde a prefeitura seria parceira para arrecadar verbas. O que está consolidado é que a Prefeitura irá arcar com as despesas das fantasias da ala de bateria das escolas. Também iremos dar toda a infraestrutura necessária para que elas possam fazer um bom desfile na Rua Amando de Barros”, observou o subsecretário.

Ele, entretanto, adiantou que a Prefeitura Municipal não deverá fazer grandes investimentos no carnaval de rua de 2011. “O que pretendemos é que as escolas desenvolvem projetos e eventos em seus respectivos bairros. Façam a comunidade participar das escolas e blocos, com eventos variados. Seguramente, a Prefeitura será parceira. Vamos dar prosseguimento ao trabalho que vinha sendo feito e aplicar nossas diretrizes, visando o carnaval de rua a partir de 2011”, disse o subsecretário.

Pimentel argumenta que as escolas não devem esperar recursos, unicamente, da Prefeitura. “Posso dizer que ainda não conversei com o prefeito (João Cury Neto), sobre esse assunto. Por isso não está definido se haverá ajuda financeira para as escolas. Mas, na nossa concepção, as escolas e blocos devem se movimentar para arrecadar dinheiro e não ficar na dependência da Prefeitura. Queremos ver as escolas em atividade promovendo eventos nos seus respectivos bairros. Como eu já disse seremos parceiros e iremos ajudar no que for possível”, garantiu.

Vale lembrar que quando Fredi Pimentel foi Secretário de Esportes e Turismo nos anos 90, Botucatu foi considerada um pólo turístico com o carnaval de rua e vinham para assistir os desfiles das escolas de samba, pessoas de diferentes cidades da região, com arquibancadas. “Os anos 90 foram, realmente, a fase mais produtiva do nosso carnaval, onde chegamos a ter oito escolas de samba de nível, desfilando. Até concurso regional de fantasias Botucatu fazia. Porém, agora são outros tempos, outra geração, outra mentalidade. Isso ficou lá atrás. Não podemos ficar pensando no que as escolas fizeram e sim no que (as escolas) podem fazer”, comparou o subsecretário.

Porém, o responsável pelo Turismo não está se atendo apenas ao carnaval. “O carnaval está inserido no contexto dos projetos que pretendemos desenvolver nos próximos meses. Nossa região é muito rica e é pouco explorada turisticamente. Temos muito trabalho pela frente. Pretendemos desenvolver projetos em pontos estratégicos do Turismo, como a Cuesta de Botucatu, os mirantes, Rio Bonito, Cascata da Marta e Véu da Noiva, entre muitos outros, além do Turismo Urbano onde se incluem a Igreja de Santo Antônio, em Rubião Júnior, a Fazenda Lageado e os prédios antigos que mantêm suas arquiteturas originais. Estou motivado e vamos trabalhar, pois o Turismo é um filão que deve ser explorado”, finalizou.

Fotos: David Devidé