Terezinha Brito expõe suas obras no Museu do Café

A partir do dia 25 de outubro, o Museu do Café, da Fazenda Lageado irá receber, pela primeira vez em Botucatu, os trabalhos da artista plástica Terezinha Brito. A exposição denominada “Em busca da luz” tem a curadoria de Oscar D´Ambrosio e Ricardo Cardoso, usando como elementos fundamentais da poética, a cor e luz.

A artista procura colocar pegadas ou imagens de pés em direção de fontes de claridade realizando uma metáfora da busca do ser humano por dimensões nas quais possa se libertar das trevas existenciais e encontre formas plenas de desenvolvimento de suas potencialidades. A exposição permanecerá até o dia 25 de novembro, podendo ser visitada de segunda a sexta das 9 ? s 11 horas e das 14 ? s 17 horas. Aos sábados, domingos e feriados o horário de visita é das 12 ? s 17 horas.

Vale lembrar que, atualmente, estão em exposição no Museu do Café, os trabalhos em tela de Osmar Santos e Wânia Rodrigues, que já foi vista por mais de 1500 pessoas, segundo números apontados pela coordenadoria.

Osmar Santos, como é de conhecimento público, no auge da carreira como locutor e comentarista esportivo, sofreu grave acidente automobilístico em 1994. A partir daí sua vida mudou completamente e a pintura entrou como atividade terapêutica. Em 2010, pela primeira vez, Osmar expôs seus trabalhos no Museu do Café. Este ano comemora onze anos de pintura com exposições já realizadas em várias cidades.

Wânia Rodrigues (www.waniarodrigues.com.br), é autodidata e já expôs seus trabalhos em coletivas e mostras individuais por todo o Brasil e em outros países. Suas telas fazem parte do acervo do Hospital Dante Pazzanese, em São Paulo e em coleções particulares de Romero Britto, Chico Caruso e Yoko Ono, viúva de John Lennon. Trabalhos de Wânia já freqüentaram galerias de Nova York e Miami. Espiritualista, se baseia nos quatro elementos para representar suas pinturas que são lúdicas e bem coloridas. É, também, Agente Cultural e Curadora da Academia Brasileira de Arte e Cultura e História, desde 2005.

As obras de Osmar Santos e Wânia Rodrigues foram visitadas por 26 novos servidores docentes, e técnicos administrativos, participantes do Projeto de Integração da Faculdade de Ciências Agronômicas. Recebidos pelo coordenador do Núcleo, José Eduardo Candeias, que fez uma explanação sobre a história da Fazenda Lageado, além de expor detalhes sobre o projeto que vem sendo conduzido desde 2006.

{n}Novo espaço{/n}

Candeias salienta que graças ao apoio da diretoria da Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) o Museu e os visitantes irão ganhar um novo espaço. A sala que era utilizada pela Associação de Ex-Alunos da FCA, está sendo disponibilizada para uso do Museu. “Iremos utilizar esse local para uma nova atração a ser oferecida aos visitantes. É importante lembrar que, atualmente, com esse novo espaço os visitantes contam com 14 salas incluindo o espaço do porão da Antiga Casa Grande”, enfoca Candeias.

Ele lembra que o Museu possui duas salas de reserva técnica onde ficam objetos que estão sendo preparados para serem expostos e em 2006, quando o projeto foi iniciado os visitantes contavam com apenas 6 salas. “Evidente que esses novos espaços têm sido fundamentais, pois, o crescimento no numero de objetos exposto no acervo foi muito grande, graças ao projeto denominado “De Sua Casa para o Nosso Museu”. Além da questão da limpeza e organização, outro detalhe é motivo de manifestação positiva dos nossos visitantes”, explana Candeias. “A distribuição dos objetos no Museu oferece excelentes condições de circulação, permitindo, inclusive, a visita de cadeirantes”, acrescenta o coordenador.