Projeto Guri 2016 abre vagas para período integral

Serão 114 novas vagas disponíveis para os cursos de canto coral, violino, viola erudita, violoncelo e contrabaixo acústico. Somadas as 156 vagas já existentes, o projeto totalizará neste ano 270 vagas no Município

 

De 1º de fevereiro até 4 de março estarão abertas as matrículas para o Projeto Guri em Botucatu. Serão 114 novas vagas disponíveis para os cursos de canto coral, violino, viola erudita, violoncelo e contrabaixo acústico. Somadas as 156 vagas já existentes, o projeto totalizará neste ano 270 vagas no Município. Para participar do Projeto Guri não é preciso ter conhecimento musical prévio. Basta ter entre 6 e 18 anos e gostar de música.  

Para efetuar a matrícula é necessário que a criança ou adolescente compareça diretamente ao polo de Botucatu, localizado na Casa da Juventude – “Professor Vinício Aloise” [Rua Benjamin Constant, 161, Vila Jau], às quartas e sextas-feiras, das 8h30 às 11 horas, e das 13 às 17 horas. Sempre acompanhado pelos pais ou responsável. Os interessados devem levar: RG ou Certidão de Nascimento; comprovante de endereço e de matrícula escolar e/ou declaração de frequência escolar.

 

Período integral

O Projeto Guri – maior programa sociocultural do País, mantido pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, em parceria com a Prefeitura de Botucatu, funciona no Município desde  2010, com atividades gratuitas. Em 2016 ele passa a ser desenvolvido em período integral, com aulas oferecidas também no período da manhã.

As aulas serão realizadas todas as quartas e sextas-feiras, das 8 às 11 horas, e no período da tarde, das 13 horas às 17h30. Com duração de uma a duas horas, dependendo do curso escolhido.   Além dos cursos de canto coral, violino, viola erudita, violoncelo e contrabaixo acústico, o polo Botucatu do Projeto Guri conta ainda com aulas de teclado e iniciação musical, que no momento já se encontram com turmas completas.

“O Guri é uma conquista do atual governo João Cury e que completa seis anos em 2016. É um projeto que tem um simbolismo muito forte para nós porque trata-se de mais uma opção de atividade gratuita, no contra turno escolar, voltada a crianças e adolescentes da Cidade. Ele também fortalece a Casa da Juventude, como polo de formação cultural em Botucatu”, afirma o secretário municipal de Cultura, Osni Ribeiro.

“Em um momento de crise que vive o País, no qual muitos municípios tem buscado enxugar algumas despesas, poder ampliar o número de vagas dentro de um projeto como este prova quanto Botucatu tem um olhar especial e diferenciado à cultura”, completa.