Programa visa requalificar trabalhadores demitidos

A Prefeitura de Botucatu está lançando um novo programa, que atenderá, prioritariamente, trabalhadores que perderam seus empregos nos últimos 90 dias.  Batizada de “Requalifica – Todos contra a crise”, a proposta foi apresentada pelo prefeito João Cury Neto na última semana, em reunião que contou com a participação do secretário municipal de Desenvolvimento, Edison Baptistão; do secretário adjunto de Ciência e Tecnologia, Carlos Costa; de representantes da diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos e do departamento de recursos humanos da Caio/Induscar e Tecnaut.

As duas empresas, que figuram na lista das maiores empregadoras da cidade, já demitiram nesse começo de ano cerca de 300 funcionários. A preocupação do poder público é preparar os trabalhadores para que possam voltar ao mercado de trabalho, tão logo a economia volte a dar sinais de recuperação. O prefeito anunciou que a UNIT (Universidade do Trabalhador) oferecerá cursos que possam ao mesmo tempo atender as necessidades das empresas e ampliar as competências e a qualificação dos trabalhadores. Serão oferecidas vagas para todos os trabalhadores da indústria, residentes em Botucatu, demitidos nos últimos 90 dias. O programa poderá, futuramente, contemplar os setores de comércio e serviços.

“Há um entendimento de que o enfrentamento da crise é um problema de todos nós. Temos que nos unir nesse momento de dificuldade. Não adianta ficar reclamando. Temos que levantar a cabeça e busca superar os problemas com criatividade, com articulação, com responsabilidade. A quantidade de desligamentos na indústria nos preocupa. Apenas em duas empresas foram 300 demissões. Estamos falando de 300 famílias. É papel do poder público chamar as forças vivas da sociedade para que possamos discutir melhor isso e procurar soluções”, declarou o prefeito.

No encontro com representantes das empresas e dos sindicatos, o prefeito e seus secretários puderam discutir qual o perfil de colaborador que a indústria necessita atualmente, com objetivo de disponibilizar cursos que possam prepará-los não apenas no aspecto técnico, mas também comportamental. Nesta primeira etapa do programa serão oferecidos cursos de soldador, leitura e interpretação de desenho, instrumento de medição (metrologia), relações comportamentais, interpessoais e ética. Também há possibilidade de ser formato um curso de eletricista. 

“Vamos separar parte dos recursos públicos que destinamos à UNIT para fazer qualificação profissional a fim de atender esse novo programa. Já identificamos as vulnerabilidades dessas pessoas recém-demitidas da indústria. Queremos mantê-las dentro de uma perspectiva de recolocação por meio de um processo de requalificação. A ideia é mantê-los ocupados para que estejam preparados para serem reinseridos no mercado assim que o cenário melhorar. Esses trabalhadores vão desenvolver normas habilidades. Nesse momento de dificuldade o poder público tem que ser parceiro, estender a mão amiga para as empresas, os sindicatos e principalmente para os trabalhadores e suas famílias”, afirma Cury. 

Uma das preocupações externadas pelos representantes das empresas está relacionada à carência de maior comprometimento do funcionário. “Por isso o Requalifica vai tratar também de relações interpessoais, comportamentais. Os cursos de qualificação da UNIT, oferecidos em parceria com o Senac e o Senai, já possuem módulos que tratam desses temas. Mas pretendemos ampliar carga horária, avançando na abordagem de questões éticas no ambiente de trabalho porque constatou-se que existe falta de comprometimento por parte de alguns colaboradores. Qualificação é como tomar banho: tem que fazer todo dia. Sempre há o quê aprender, o quê melhorar. E a UNIT tem esse compromisso de oferecer novas habilidades para nossos trabalhadores, já que o mercado de trabalho hoje é muito exigente”, acrescenta o prefeito.