Peças inspiradas em personagens vira livro

Neste, sábado (11) o dramaturgo, diretor do grupo teatral Notívagos Burlescos e futuro membro honorário da Academia Botucatuense de Letras, Robert Coelho, lançará primeiro livro: “Ana Rosa, Mirabelli e Fidelis”, que traz na íntegra os texto de três peças que narram a trajetória de personagens botucatuenses ligados a diversas crenças.

O evento será realizado na Livraria Dom Luccio (Avenida Dom Lucio, 647), a a partir das 19 horas e contará com uma exposição de fotos, presença de pessoas que integraram o elenco das peças, que farão leituras dramáticas, além do Bando Musical dos Notívagos tocando as respectivas trilhas sonoras

A publicação do livro tem o apoio do Programa de Incentivo ? Produção Artístico (PIPA) que financiou parte da impressão dos 500 exemplares impressos. 10% destes serão destinados ? Secretária de Cultura.

Para Robert Coelho, o lançamento de “Ana Rosa, Mirabelli e Fidelis”, pontua uma jornada iniciada em 2005. “Desde os primeiros ensaios de Ana Rosa o processo passou a envolver as pessoas que frequentavam as oficinas do Notívagos e participaram das montagens. O livro é o registro de uma enorme união de forças”.

{n}Ana Rosa{/n}

A criação da peça “Ana Rosa” teve início em 2005 no Núcleo de Improviso da Quadrilha de Teatro Notívagos Burlescos. Partindo de relatos, contos, livros, músicas e matérias jornalísticas o grupo desenvolveu a maior parte das cenas que posteriormente foram organizadas pelo diretor Robert Coelho. Em 2006, com a Oficina de Montagem e alguns participantes do processo de criação das cenas, o trabalho foi retomado e a montagem iniciada.

Após sua estréia no Festival Jaime Sanchez a peça cumpriu temporada de seis apresentações realizadas em espaços alternativos por toda a cidade, tendo um público estimado de 1.300 espectadores. Não só por retratar fatos históricos locais, o sucesso da peça também foi atribuído ? qualidade do trabalho reconhecida pelo público e pelas autoridades, oficializado em votos de congratulações consignados pela Câmara Municipal.

A peça ainda se apresentou na Mostra de Teatro Ademar Guerra na cidade de São José dos Campos, onde seu processo pedagógico de oficinas foi elogiado em debate com profissionais após a apresentação. Nos anos seguintes o grupo fez apresentações com um novo elenco e teve uma versão resumida, apresentada em eventos e solenidades.

{n}Mirabelli{/n}

O processo de criação da peça “Mirabelli” teve início em 2007, com o estudo de textos, livros, matérias de jornais e atas das reuniões realizadas pelo médium e criação de cenas no Núcleo de Improviso. Em 2008 passam a integrar o elenco mais de 30 pessoas, oriundas das oficinas de Iniciação Teatral e da Oficina de Trilha Sonora e Sonoplastia, elevando para aproximadamente 50 o número de envolvidos no trabalho, que teve sua estréia em outubro do mesmo ano. Em 2009 o grupo retomou o espetáculo com o texto e o elenco reduzido, realizando apresentações em Botucatu, no evento Julho Cultural em Jaú e no Mapa Cultural Paulista em Macatuba.

{n}Frei Fidélis{/n}

Em 2009 o Núcleo de Improviso teve acesso a matérias de revista, livros escritos pelo frei e do material reunido nos anos oitenta pelo grupo Peregrino Vidal, que se dedicou ao estudo da vida e obra de Fidélis. Um estudo inicial sobre a trajetória do herói Hércules descrita no livro “América pré-histórica e Hércules” levou ? criação de cenas. Uma dessas cenas foi apresentada na mostra de conclusão das atividades do grupo, “Notívagos Burlescos: Ativar!!!”, em dezembro.

Durante o primeiro semestre de 2010 um núcleo de montagem foi estabelecido para a continuidade do processo de criação de cenas iniciado no ano anterior. Além da adição de novos textos escritos pelo frei ao acervo de pesquisa o grupo também realizou entrevistas e encontros com objetivo de levantar mais dados a respeito da relação de Fidélis com a cidade nos anos em que aqui morou.

No início do ano o grupo foi selecionado para participar do Projeto Ademar Guerra da Secretaria do Estado de Cultura, recebendo durante o ano a orientação artística de um profissional. Rudifran Pompeu, diretor do grupo Redimunho de Investigação Teatral, acompanhou os encontros do processo de pesquisa e criação de cenas e trouxe vários questionamentos sobre o processo de montagem da peça, apontando novos e urgentes caminhos. Durante alguns meses a montagem foi suspensa para que o grupo se dedica ao estudo de teorias da interpretação e a dramaturgia fosse desenvolvida.

No fim do ano o projeto de montagem de Frei Fidélis foi selecionado pelo Programa de Incentivo a Produção Artística da Secretaria Municipal de Cultura de Botucatu. Com o apoio do programa, o grupo retomou a montagem em maio 2011. A peça estreou em outubro e no mês seguinte participou da fase regional do Mapa Cultural Paulista. Foi a peça selecionada para representar a região de Bauru na fase estadual e na fase de circulação em 2012, sendo apresentada em Jaú, Boracéia e Paraguaçu Paulista.