Palestras dão enfoque ? Saúde Mental em Botucatu

Hoje a saúde mental é debatida amplamente no mundo, mas muito além do estereótipo da “loucura”. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 700 milhões no mundo sofrem com algum tipo de transtorno mental, o que representa 13% de todas as doenças. 

Diante da necessidade de multiplicar informações em torno deste tema junto à sociedade, a Associação Paulista de Medicina – Regional de Botucatu, com apoio da Secretaria Municipal da Saúde, promoverá de 23 a 27 deste mês, no Cine Teatro Nelli, a primeira edição da Semana da Saúde Mental de Botucatu. Trata-se de uma série de palestras abertas à comunidade, sobre vários temas da saúde mental, com início sempre a partir das 20 horas. A entrada é gratuita.

De acordo com Benedito Miranda (foto), psiquiatra e diretor da APM Botucatu, o evento é importante porque muitas informações científicas atuais ainda não chegaram à população. “Da mesma maneira que todo mundo sabe que atividade física faz bem à saúde, queremos alertar e orientar, por exemplo, sobre o avanço da depressão e da dependência química, e como elas podem potencializar outras doenças. Não é um evento técnico. Queremos atingir a dona de casa, as famílias como um todo, como uma prestação de serviço da classe médica”, afirma.

Além da Prefeitura, a Semana da Saúde Mental de Botucatu conta com apoio da Faculdade de Medicina de Botucatu-Unesp, Unimed de Botucatu, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu-Unesp, CAIS- Professor Cantídio Botucatu-SP, Associação Arte e Convívio, e Fórum de Saúde Mental de Botucatu.

 

Cronograma das palestras

O tema da primeira noite, na segunda-feira (23), após a abertura oficial do evento, será: “Saúde Mental da Mulher”. De acordo com Erica Camargo, psiquiatra responsável por esta palestra, é importante destacar que a mulher ao longo de sua vida passa por momentos mais sensíveis devido às fases do ciclo hormonal que repercutem nas suas emoções.

Na terça-feira (24) haverá duas palestras. Gabriel Elias Savi Coll, psiquiatra,  falará sobre “Depressão”, um dos mais importantes temas da atualidade. Em um segundo momento, o também psiquiatra José Manoel Bertolote aborda a “Prevenção do Suicídio”. 

Dependência Química será o assunto da quarta-feira (25), apresentado em três palestras: “O Comportamento do Dependente Químico”, por Florence Kerr Corrêa, psiquiatra; “A Crença (questionável) na Internação Psiquiátrica”, por Janice de Lourdes Megid, psicóloga; e “As Escolhas do Dependente Químico”, por Sandra Regina Rosolen Soares, enfermeira. O enfoque da noite será sobre o comportamento que a família do dependente químico poderá adotar nas diversas circunstâncias desse problema.

Na quinta-feira (26) será debatido o tema Saúde Mental da Criança e do Adolescente” em duas palestras. Erica Vasquez Trench, psiquiatra da infância e adolescência, falará sobre os primeiros sinais que devem chamar a atenção dos pais para possíveis transtornos mentais. Já Gisele Aparecida Godoy Merlin, psicóloga, falará sobre “Função Materna e Função Paterna”, tema indispensável devido às diversas configurações familiares atuais.

Na sexta-feira (27), última noite do evento, o psiquiatra Ronaldo Rossini falará sobre “Saúde Mental do Idoso” com destaque para as necessidades dos familiares e cuidadores. Ricardo Torresan, psiquiatra, encerrará o evento falando sobre “Prevenção de Transtornos Mentais” ao discutir a importância da herança familiar e do ambiente.