Obra de livro adaptado para teatro faz parte da Mostra de Teatro

A Mostra de Teatro “Cena Aberta” traz para o Teatro Municipal “Camilo Fernandes Dinucci”, na noite desta quinta-feira, partir das 20h30, a peça “Vestígios”. A obra é uma adaptação do Grupo Chafariz, inspirada no livro “Vestígios de Seara Alheia”, do escritor e médico botucatuense, Marcos Luís Garita. O enredo é escrito e dirigido por Solange Rivas.

A ideia contida no livro e pesquisada para a montagem da peça é a história de um carteiro em uma cidade do interior, nos anos 20, que tinha por hábito ler as cartas e decidir o que deveria ou não ser enviado para os destinatários. O cenário é composto por um revestimento de tecido transparente na cor marfim para dar a ideia de antigos cortinados escondendo o passado.

Os figurinos mantêm a cor “nude” do cenário que, juntamente com a iluminação, dão a ideia de antigas fotografias. As personagens são pessoas comuns, sem outra identidade senão o ofício de cada uma, que se encontram no mesmo lugar, com seus conflitos e dramas.

Cenas em flash back são resolvidas também com a utilização de multimídia, com fotos e vídeos projetados, em harmonia com as cenas que se sucedem, com narrativas e ações se intercalando.

{n}{tam:25px}Sequência da Mostra de Teatro{/tam}

Dia 25 (sexta-feira){/n}

A Companhia Delas de Teatro apresenta o espetáculo infantil “Histórias por telefone” voltado para adultos e crianças a partir de 4 anos. A peça composta por pequenas histórias bem humoradas, repletas de espírito crítico, fantasia e delicadeza.

Toda noite, ? s nove horas, Senhor Bianchini liga para sua filha e lhe conta uma história inventada, mas não é só ela que aguarda ansiosamente o telefone tocar. Do outro lado da linha estão quatro curiosas telefonistas prontas para se ligar em mais uma história divertida do pai Bianchini.

O público é convidado a viajar nessas “Histórias por Telefone” junto com a menina, navegando em situações fantásticas, lúdicas e divertidas numa grande brincadeira.

{n}Dia 26 (sábado) {/n}

A Companhia da Gioconda apresenta o espetáculo infanto-juvenil “Os olhos de Nebul”, voltado para adultos e crianças a partir de 7 anos. No século XXI, Nebul, vítima de uma feiticeira, fica cego. Se abate sobre o casarão onde mora, uma maldição, onde todos têm medo de entrar. Nebul envelhece e se sente sozinho, tendo por companhia seu único filho, em meio de inúmeros aparelhos de segurança, câmeras e circuitos internos.

O filho de Nebul, um jovem, vê o sofrimento e o isolamento que o pai sofre, mas não sabe o que fazer. Um dia, uma velha peregrina, sem temer a maldição, entra no casarão e diz que sabe que a cura é uma água milagrosa. Mas a única informação que dá é que quem sabe o caminho está numa estação de metrô do centro da cidade. O filho de Nebul, vendo que o pai jamais poderá fazer essa jornada, se oferece para ir em seu lugar, mesmo sem saber o que fazer.

{n}Dia 27 (domingo){/n}

A Companhia BR 116 encerra a Mostra com a peça “O Terceiro Sinal”, indicada o público de faixa etária acima de 14 anos. A apresentação faz parte do Circuito Cultural Paulista.

“Dentro de alguns minutos, sem nenhuma experiência prévia, tendo decorado o texto na última semana e tomado parte em apenas três ensaios, sem ser nem desejar me converter num ator, eu estaria me apresentando diante de uma plateia pagante num dos teatros mais mitológicos do país, sob a direção do mais histórico de seus diretores.” Este é o ponto de partida do ensaio “O Terceiro Sinal”, do jornalista, escritor e dramaturgo Otavio Frias Filho, que relata sua investigação participativa no espetáculo teatral “Boca de Ouro”, dirigido por Zé Celso. No mesmo dia, após o espetáculo também acontecerá um bate-papo com Beth Coelho.