Lageado é Notícia: Achados Arqueológicos irão surpreender Botucatu

arqueologiaNos últimos dias achados arqueológicos na região de São Manuel ocuparam a mídia. Como já havíamos informado em nosso boletim 171 de 15 de abril, os trabalhos estão sendo desenvolvidos pela Usina São Manoel, e estão a cargo da Empresa Zanettini Arqueologia de São Paulo, que também desenvolve trabalhos vinculados ao projeto “Arqueologia no Campus”, conduzido pelo Museu do Café da Fazenda Lageado, desde 2007. Importante destacar que em 2013 foram desenvolvidos trabalhos de prospecção arqueológica no município de Botucatu por uma equipe coordenada pelo arqueólogo Astolfo Araújo do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. Esses trabalhos resultaram num material que passou por classificação, datação e todos os demais procedimentos técnicos indicados. Agora o Coordenador do Núcleo informa que em breve a cidade de Botucatu também deverá ser surpreendida pelo material encontrado durante esses trabalhos. Isso vem comprovar, mais uma vez, a riqueza arqueológica da região de Botucatu. Importante frisar que o material encontra-se em São Paulo e assim que estiver liberado será transportado para Botucatu e exposto, juntamente com outras peças arqueológicas, na sala do projeto “Arquelogia no Campus” no Museu do Café.

Quadro

museuDurante visita ao Museu, a botucatuense Karin Hartung Gottschalk, filha do Professor Arnald Gottschalk da FMVZ, já falecido, se ofereceu para restaurar um quadro do acervo do Museu. A obra intitulada “Tronco de Arvore Derrubada” pertenceu a “Estação Experimental de Botucatu”. Karin é especialista nesse tipo de trabalho tendo atuado durante alguns anos na Europa. Diante da disposição demonstrada por Karin em efetuar o serviço de forma graciosa, o Coordenador do Núcleo concordou e o quadro foi levado por Karin para a execução dos serviços de restauro. A expectativa é que entre 3 a 4 meses a obra retorne para o acervo do Museu podendo, novamente, ser apreciada pelos nossos visitantes.

Doação

No final do mês de maio o Museu recebeu correspondência do Sr.Sílvio H.D. Barros, morador na capital, encaminhando um pequeno quadro com a capa do livro “Café” de Mário de Andrade. Na correspondência o Sr. Silvio explicava que “sempre preocupado com a falta de memória do Brasil, tenho por hábito doar obras e objetos de referência para museus, bibliotecas e escolas de todo o país, buscando, com isso, enriquecer seus acervos”. Finalizava, informando que estava encaminhando o referido quadro como doação ao nosso Museu. O Coordenador do Núcleo enviou correspondência ao Sr. Silvio agradecendo a gentil doação, mas mais que isso, enaltecendo a grandeza de seu gesto. Reforçou o Coordenador destacando “que bom seria se alguns milhares de brasileiros tivessem essa preocupação com os destinos do nosso País”. O quadro já está exposto no Museu e o Coordenador registra aqui mais uma vez, o agradecimento ao Sr. Silvio H. D. Barros pela generosidade e grandeza.

USP

No ultimo dia 10 o Museu recebeu a visita da segunda turma de alunos do curso de Geografia da USP de São Paulo. Com isso o curso fecha seu projeto para este ano, pois no dia 13 de maio a visita foi de 45 alunos. Desta vez a turma era composta por 47 alunos. Importante salientar que o Professor Anselmo inclui a Fazenda Lageado no roteiro de trabalho de campo dos seus alunos.

Limpeza de jornais

O monitor Rodrigo, aluno do ultimo ano do curso de História da Universidade do Sagrado Coração – USC de Bauru, voluntariamente realizou trabalhos de limpeza e higienização de duas coletâneas de jornais que acervo do Museu. Um deles, “O Jornal” reúne matérias comemorativas do bi-centenário da introdução do café no Brasil e data de 1922, e foi doado em 2010 pelo Professor José Sérgio Turriani Marques. Já o outro jornal é uma coletânea do “O Estado de São Paulo” trazendo matérias sobre a Revolução Constitucionalista, e foi doado em 2014 por Mário Coelho Aguiar Neto. O serviço constou da limpeza, folha por folha, com a retirada de eventuais impurezas, pó e outros, e foi feita com auxilio de um pincel macio, e demandou vários dias. O Coordenador destaca o envolvimento da equipe de monitores do Museu, formada pelos monitores Renato, Rodrigo, Lucas e pela monitora Thais. É com essa equipe que o Museu recebe milhares de visitantes mensais e diversas escolas em visitas monitoradas.

José Eduardo Candeia, Cood. da Área Histórica da Fazenda Lageado