Historiadores italianos são recebidos em Botucatu

Fotos: David Devidé

O presidente do Centro Brasil Itália de Botucatu, instalado na Rua João Passos região central de Botucatu, Domingos Scarpelli, recepcionou neste final de semana dois historiadores italianos que vieram conhecer famílias de descendentes que residem na Cidade. Também participaram da recepção o vice-prefeito Antônio Luiz Caldas Júnior, a colunista social Adelina Guimarães, o historiador João Carlos Figueroa, Dr. Luiz José Pedretti, fotógrafo David José Devidé, professor Marco Angella, Maria Anna Moscogliato, a guardiã da memória de Botucatu, além de outros convidados.

“Foi um encontro bastante interessante, já que os visitantes puderam observar fotos históricas de muitas famílias de descendentes de imigrantes italianos, documentos diversos e relatos dos descendentes dos “pontremoleses”, que servirão de análise e estudos”, salientou David Devidé, que registrou as imagens da visita.

Na semana passada, Adelina Guimarães encaminhou ? imprensa um histórico desse encontro narrando como tudo foi planejado para que os italianos Paolo Bisolli e Caterina Rapetti viessem a Botucatu.

{n}A história{/n}

A história dos imigrantes que partiram da distante Pontremoli, região da Toscana, Itália, com destino a Botucatu remonta a segunda metade do Século XVIII. E é a história de muitos dos nossos ascendentes que participaram de uma forma ou de outra da construção da história de Botucatu nos seus 157 anos de existência. E, obviamente, ajudaram a povoar a cuesta.

Atendendo ao chamado de Aléssio Varoli, nascido naquela cidade e já estabelecido como industrial em Botucatu, cidade em que já morava seu pai Giuseppe e irmãos Pio e Xisto, quase 20 famílias aqui chegaram. Iniciaram a sofrida e laboriosa vida dos “oriundi”, imigrantes italianos tentando “fazer a América”. Muitos conseguiram e fizeram fortunas se tornando empresários, industriais de peso, construtores, proprietários rurais, comerciantes, banqueiros, etc. Obviamente, com fortes mulheres os apoiando e criando suas famílias.

No início de 2012 foi descoberta a “mini Pontremoli” em Botucatu por Marco Angella, professor “pontremolese” apaixonado pela imigração dos toscanos pelo mundo que repassou essas informações para os historiadores Paolo Bisolli e Caterina Rapetti.

O interesse foi tanto que os dois chegaram a Botucatu no sábado (9) e somente retornarão ? Itália nesta segunda-feira (12). No final de semana se encontraram com as famílias Angella, Aloise, Bertochi, Botti (Cafonni), Burzacca, Calani, Faconti, Ferrari, Franchini, Magnani, Mori, Moscateli, Pedretti, Pinotti e Varoli.