Giralua traz espetáculos e oficinas para Botucatu

A cidade de Botucatu recebe a Giralua – Companhia de Artes e seu projeto Lumeia Festim Giralua de Artes, que comemora 15 anos de trajetória da Companhia, nos dias 19 e 20 de junho, no Cine Teatro Nelli, localizado na Praça XV de novembro, Centro.

No dia 19, às 10 horas e às 14 horas, haverá apresentação de Contação de Histórias para o público infantil e à noite, às 20 horas, a cena é voltada ao público jovem com Leitura Encenada para Juventude. Todas as apresentações são gratuitas e abertas ao público.

 

Oficinas gratuitas

No dia 20, ainda no Nelli, serão ministradas duas atividades artísticas, voltadas para aqueles que se interessam por arte educação. Das 8 às 12 horas ocorrerá a oficina “A Linguagem dos Contadores de Histórias”, e das 13 às 17 horas a “Pintura em Aquarela”.

As inscrições podem ser feitas na Secretaria de Cultura, localizada na Praça Coronel Moura, nº27 no Centro, de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas. Outras informações pelo telefone (14) 3882-0133.

O Festival é uma realização da Giralua Companhia de Artes e Proac – Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo com apoio da Prefeitura Municipal de Botucatu.

 

Programação:

 

Dia 19 de junho (sexta-feira)

Local: Cine Teatro Nelli

Horário: 10 e às 14 horas

Público infantil

Peça – Histórias e Lendas da Boca do Povo

Três narrativas orais recolhidas por Silvio Romero cujos personagens são animais, o jabuti, o veado, a raposa, a onça e o macaco, em cada uma das histórias contêm provas de esperteza e astúcia em paisagens que evidenciam a fauna e flora brasileira. Outros dois contos do folclore brasileiro, divulgados por Henriqueta Lisboa: “O Caboclo D`Água” e “O Roubo do Fogo”, revelam que o ouro e o fogo em tempos passados possuiam seus guardiões.

 

Dia 19 de junho (sexta-feira)

Horário: 20 horas

Local: Cine Teatro Nelli

Público jovem

Leitura encenada para juventude

Na Leitura Encenada reúne-se um coletivo de espectadores e a obra literária é elevada a espetáculo, à leitura pública apresenta a obra, autor e leitor; a palavra do autor é integral. Os atores encenam, dramatizam diálogos, se relacionam com elementos que remetem ao ambiente da narrativa num convite a descoberta individual da obra como um todo.

Leitura – Filosofia de um Par de Botas, de Machado de Assis

Nesta peça teatral, duas botas conversam e relembram toda a escala social percorrida nos pés de gente elegante, dançarino, sapateiro até por fim serem largadas numa praia

Leitura – A Terceira Margem do Rio, de João Guimarães Rosa

Um homem ordeiro, cumpridor, subitamente manda fazer uma canoa para caber justo o remador, e nela mora, no rio. O filho, ao longo de sua vida, à margem do rio, convive com a decisão inusitada do pai, seu próprio drama e dos familiares, e a estranheza dos moradores das beiras e de todo o vilarejo.

 

Dia 20 de junho (sábado)

Horário: 8 às 12h

Local: Cine Teatro Nelli

Inscrições: Secretaria de Cultura

Duração: 4 horas – 40 vagas

Oficina – A Linguagem dos Contadores de Histórias

Sob orientação da atriz e contadora de histórias Val de Castro

A oficina propõe uma imersão no universo da arte de contar histórias e da mediação de leitura focando em narrativas de contos tradicionais, apresenta uma metodologia de memorização para impulsionar o desenvolvimento de iniciativas livres. “Pretendo oferecer uma vivência prática e referenciais teóricas da arte de contar histórias e mediação de leitura, sensibilizando para a importância de divulgar e preservar a tradição das narrativas orais. Além disso, abordar sobre o clima a ser criado para a história contada, a memorização da narrativa, a utilização de recursos cênicos, de acessórios, o uso da voz, do corpo, do olhar do contador de histórias” ressalta Val de Castro.

 

Dia 20 de junho (sábado)

Horário: 13 às 17 horas

Local: Cine Teatro Nelli

Inscrições: Secretaria de Cultura

Duração: 4 horas – 25 vagas

Oficina – Pintura em Aquarela

Sob coordenação do artista plástico Alessandro Brandão

A aquarela é uma técnica especial que utiliza uma tinta diluída em água que durante a aplicação no papel canson adquire uma consistência fluídica. Os participantes vão exercitar diversos usos da tinta aquarela. Segundo Alessandro Brandão, o objetivo do encontro que vai durar quatro horas, é exercitar através de atividades práticas os diversos usos da tinta aquarela, estudar a perspectiva nas cores e a técnica de veladura.