FMVZ de Botucatu é pioneira em hemodiálise em animais

A Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da Unesp, câmpus de Botucatu, tem um grupo especializado (foto) que realiza um serviço regular de hemodiálise em animais, voltado para usuários do Hospital Veterinário e também para atividades de ensino e pesquisa. É uma das primeiras faculdades do país a disponibilizar regularmente esse tipo de serviço.

“A iniciativa é inovadora, pois, além de oferecer o serviço de diálise a preços acessíveis na rotina do atendimento hospitalar, serve à formação dos estudantes e abre um campo para novas pesquisas na área”, comenta a professora Priscylla Tatiana Guimarães Okamoto, do Departamento de Clínica Veterinária da FMVZ e responsável pela criação do Centro de Diálise da FMVZ, com apoio da Diretoria da Faculdade e do professor Pasqual Barretti, chefe da hemodiálise na Faculdade de Medicina da Unesp, câmpus de Botucatu.

A hemodiálise é uma terapia de substituição renal extracorpórea utilizada para remoção de fármacos, toxinas e água do organismo, melhorando a qualidade e prolongando a vida do animal. “É uma técnica avançada, comprovada cientificamente, que tem sido usada na medicina veterinária há 40 anos com excelentes resultados”, afirma a professora.

Paralelamente à disponibilização do serviço, teve início um estudo financiado pela Fapesp com cães doentes renais crônicos, coordenado pela professora Tatiana e sua equipe, integrada pela professora Alessandra Melchert e pelos médicos veterinários Silvano Salgueiro Geraldes (bolsista Fapesp) e José Francisco Antunes Ribeiro (aluno do curso prático de pequenos animais), com o apoio dos docentes e residentes da Clínica Médica de Pequenos Animais.

Além da pesquisa, o Centro de Diálise permite o ensino dos alunos do curso de Medicina Veterinária e dos residentes do Hospital Veterinário, através do acompanhamento prático das sessões de diálise. A FMVZ também conta com outra sala de hemodiálise, no Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, que atende animais com moléstias infecciosas, sob a supervisão do professor Antonio Carlos Paes.