Família de Anhembi mantém uma tradição há 120 anos

O Sítio dos Casimiro, localizado na região do município de Anhembi, mantém acesa uma tradição que já dura 120 anos e está sendo passado de geração a geração. Segundo os moradores, essa tradição teve início quando um senhor de nome Avelino Francisco, foi infectado pelo vírus da febre amarela e fez uma promessa: se conseguisse a cura, iria, uma vez por ano, fazer uma peregrinação de percorrer várias casas e vilarejos para anunciar que havia sido curado.

No início ele fazia esta peregrinação sozinho, levando consigo um bacamarte (espécie de espingarda de cano grosso usada no início do século passado) e uma bandeira. Entretanto, com o passar dos anos muita gente passou a acompanhá-lo e virou uma tradição, uma procissão de fé. Mesmo depois da morte de Avelino, a peregrinação continuou sendo feita, como uma maneira de agradecer alguma graça recebida. Durante a caminhada as pessoas levam a bandeira, rezam e cantam para “pagar” as promessas recebidas.

Essa tradição passou a ser uma atração turística e faz parte das comemorações da Festa do Divino Espírito Santo e da Nossa Senhora dos Remédios, comemorada em Anhembi, entre os meses de Maio e Junho atraindo pessoas de diferentes regiões.

Um dos pontos de parada para recompor as energias da comitiva é feita no Sítio dos Casimiro. Neste final de semana, a reportagem do {n}Acontece{/n} esteve presente quando os peregrinos foram recebidos no Sítio dos Casimiro, pelos irmãos Benedita, Isabel, Dulce, Ana e Jonas.

Há 52 anos a comitiva de peregrinos passa pelo sítio para almoçar e jantar. “É uma tradição que nossa família abraçou há 52 anos e mantemos até hoje. E isso vai continuar com a nova geração da nossa família que já participa ajudando na organização para receber os peregrinos”, comentou Dulce.

“Este ano estamos fazendo almoço e janta para cerca de 600 pessoas e durante o dia muitas coisas acontecem”, frisa Isabel. “Cada ano aparece uma novidade”, observa Ana. “E nossa família tem muito prazer em receber todo esse povo aqui há mais de 50 anos”, complementa Jonas.

A peregrinação começou no dia 29 de maio e vai se prolongar até dia 31 de junho. “O importante é que essa tradição vem se mantendo de geração a geração. Espero que nunca termine, pois faz parte da história de muitas famílias da nossa região. Se depender da nossa família ela não vai acabar nunca”, garantiu Dulce.

Fotos: Valério A. Moretto