Espetáculo Ibejis será encenado no Teatro Municipal

Nesta sexta-feira, ? s 20h30, o Teatro Municipal “Camilo Fernandez Dinucci” estará recebendo a Faroeste Companhia de Teatro que irá encenar o espetáculo “Ibejis”, com entrada gratuita. Inspirado na lenda dos gêmeos nas culturas africana, católica e grega, o espetáculo reúne em cena elementos representações de folguedos e elementos da cultura popular brasileira, como cantigas populares adaptadas e uma cenografia móvel com tecidos e teatro de bonecos.

A montagem do espetáculo ocorreu por meio do ProAC 2008/2009 da Secretaria do Estado de Cultura, o Ibejis apresentou Ensaios Abertos exclusivos para escolas públicas e ONG´s até o final de abril de 2009, na Sede Luz do Faroeste.

Por meio do Circuito Cultural passou por cinco municípios paulistas entre eles: Taquarituba, Lençóis Paulista, São Caetano do Sul, Guararapes e Lins. Bem como de junho a setembro de 2010, participou do Viagens Teatrais do SESI realizando espetáculo em cerca de 30 municípios do Estado de São Paulo.

A história contada na peça é um recorte do sincretismo religioso na formação das festas populares do Brasil, como festas do divino, boi-bumbá, frevo etc. Dessa forma, Paulo Faria, diretor e dramaturgo da Companhia, investigou a lenda dos Ibejis africanos, passou aos santos católicos São Cosme e São Damião, gêmeos presentes em outras culturas, como a criação do signo de Geminis na constelação zodiacal criada na mitologia grega, para criar a leitura teatral nesse contexto. “A idéia é aproximar a mitologia africana da história universal do homem, entendendo que a África é o continente mais antigo da humanidade e berço da civilização humana”, explica Faria.

Desde 2009, o Ministério da Educação instituiu a Lei n.º 10.639 que obriga a inclusão do ensino da cultura africana e afrobrasileira nos currículos das escolas brasileiras, ou seja, Ibejis pode se tornar uma ferramenta didática com o enredo carregado de brasilidades e desperta o faz-de-conta por meio da construção e desconstrução de todos os personagens em cena.

{n}Sobre o Faroeste Cia de Teatro{/n}

Fundada em janeiro de 1998, a Cia tem tido como fonte de pesquisa a vida social e política do povo brasileiro por meio de seu imaginário popular e de sua cultura. A companhia tem como principais montagens: Um Certo Faroeste Caboclo (1998), que recebeu o prêmio Teatro Jovem Coca-Cola/Pananco de Melhor Direção (Paulo Faria) e Melhor Coreografia (Luís Miranda) e as indicações de Melhor Música (Eliseu Paranhos), Rei dos Ventos e, em 2000, A Mulher Macaco, que recebeu o Prêmio Nacional Plínio Marcos de Dramaturgia/2000 e foi patrocinada pelo Grupo Construcap (Lei Mendonça) e o Programa Federal EnCena Brasil.

Inaugurou e desenvolveu parceria de ocupação por dois anos com o Centro Cultural Capobianco, atual Instituto Cultural Capobianco. O Índio (2003) fez parte do Projeto Escola Aberta, Recreio nas Férias e Circuito CEUs – prefeitura de São Paulo. Em 2002, iniciou o projeto Trilogia Degenerada: Um inventário sobre a cidade de São Paulo, sobre o processo de formação histórica da cidade de São Paulo. Todos os trabalhos foram concedidos pela lei de Fomento ao Teatro da Secretaria do Estado de Cultura, assim como as montagens Re-bentos, Os Crimes de Preto Amaral, em 2006, e Labirinto Reencarnado, em 2008. O que viabilizou a criação da Sede Luz do Faroeste, localizado em Campos Elíseos.

{n}Ficha Técnica de Ibejis {/n}

Direção e dramaturgia: Paulo Faria
Elenco: Isadora Ferrite, Paulo Arcuri, Mauricio Badé, Welton Santos
Figurinos: Paulo Faria
Direção musical e preparação vocal: Denise Venturini
Preparação percussiva: Jorge Peña
Preparação física: Eduardo Gomes
Bonecos e adereços: Jeferson Cecim
Iluminação: Ciso de Souza
Produção executiva: Valmir Gustavo
Produção Administrativo Financeiro: Teca D´Alessio
Coordenação de Produção: Sabrina Flechtman
Fotos: Lenise Pinheiro
Comunicação da Cia: Vanessa Hassegawa