Engenheiro agrônomo quer difundir a música caipira

Mineiro de Lavras, criado com o povo da roça, plantas e bichos que aos 15 anos começou a interessar pela música sertaneja raiz. Desde então aprendeu e nunca mais parou de tocar viola. Herdou a veia artística do avô materno, músico e boêmio que cantava e tocava qualquer instrumento, mas era especialista em bandolim, cavaquinho e trompete.

Esse é Rubens de Brito Sousa, engenheiro agrônomo formado na Universidade Federal de Lavras em 2009 e, atualmente está fazendo mestrado na Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA), de Botucatu e é um dos violeiros muito identificado com a música sertaneja e um dos mais conhecidos cantores do gênero da região.

“Meu repertório é totalmente voltado pra musica nacional relacionada ? terra, ? natureza, ? saudade, ao caipira, ? roça, ao sertão. Por isso canto e toco músicas do Tião Carreiro e Pardinho, Zé Mulato e Cassiano, Almir Sater, Renato Teixeira, Rolando Boldrin e outros compositores que seguem o mesmo gênero”, enumera Brito.

Lembra que depois que o avó morreu foi iniciado na viola por um músico conhecido como “seu” Ormindo. “Na primeira aula ele me passou algumas batidas ou ritmos como o cururu, guarânia, pagode, entre outras. Na segunda (aula) me passou uns ponteios e na terceira já cantamos algumas musicas conhecidas como o “Menino da Porteira e “Pagode em Brasília”. Desde então, a viola passou a fazer parte de minha vida”, ressalta Brito.

Na música tem como objetivo ajudar a valorizar a cultura Brasileira. “Tenho as unhas da mão direita maiores pra tocar melhor e pretendo morrer assim: tocando viola e cantando”, coloca o cantor, que pode ser contatado pelo telefone (14) 3354 -2765 ou pelo E-mail: rubensbritomg@gmail.com

Foto: Divulgação