Danilo Gentili traz sua irreverência ao palco do Municipal

Agora chegou a vez de Botucatu. Depois de se apresentar em diferentes cidades brasileiras, o humorista Danilo Gentili traz toda sua irreverência ao palco do Teatro Municipal “Camilo Fernandes Dinucci”. O espetáculo que tem duração de 70 minutos, acontece no próximo dia 11 de dezembro (sábado), a partir das 20 horas. A produção local é de Graça Mota e Thony Piassa.

O preço do ingresso é R$ 60,00 (inteira), mas quem comprar antecipado tem um desconto de R$ 10,00, pagando R$ 50,00. Meia entrada está sendo vendida a R$ 30,00 para estudantes, professores da Rede Pública e pessoas da terceira idade. O ingresso promocional custa R$ 40,00. Para maiores informações e reservas de ingresso o interessado deve procurar a secretaria do teatro e falar com Ivone Mafalda, ou o telefone (14) 3882-9004 e site: www.teatrogt.com.br

Sucesso por onde passa, Danilo Gentili ficou conhecido nacionalmente como o “Repórter Inexperiente” do Programa CQC (Custe o que Custar) da Rede Bandeirantes, integrante do Clube da Comédia e outros projetos humorísticos em São Paulo. O repórter e comediante viaja o país com seu espetáculo. Este é o primeiro trabalho solo do comediante e repórter do CQC. Sucesso de público e crítica por onde passa, Danilo esbanja um talento nato para fazer a platéia dar altas gargalhadas.

Se rir é o melhor remédio, talvez Danilo seja farmacêutico. Com uma visão crítica e bem humorada dos acontecimentos, constrói seu show em cima da vida comum. Frustrações pessoais, relacionamentos, política, atualidades, fatos inusitados, tudo vira matéria-prima para seus textos engraçados, inteligentes e questionadores. O público irá perceber que o espetáculo trata de uma conversa sincera entra ator e platéia, como se eles estivessem acabado de se conhecer, o que, no caso, não deixa de ser verdade.

O stand-up é um formato de pocket show que se consagrou nos Estados Unidos e que hoje faz rir as platéias de teatros, bares, casas noturnas e cafés-concertos, espalhados por todo mundo e que ganha cada vez mais força no Brasil.

Com um estilo de humor muito cultuado, os espetáculos são leves, ágeis, centrados na capacidade de observação, na inteligência do texto e na habilidade de fazer rir. Uma experiência que se modifica a cada apresentação, incluindo sempre novos textos, novas sacadas, novas oportunidades de dar uma boa gargalhada.

Dialogar com o público de maneira irreverente, costurando assuntos com descontração, sempre seguindo os moldes de stand-up, o estilo que privilegia o humorista de cara limpa. O artista precisa apenas de um microfone, um foco de luz e de seu texto. Um material (é assim que os praticantes desse gênero de espetáculo se referem ao texto) escrito pelo próprio comediante, onde ele explora os aspectos mais inusitados e, é claro, engraçados da vida.

Danilo parece conhecer naturalmente a receita do gênero: originalidade, surpresa, carisma e identificação do público. Falar sério com o público é o que não vai acontece na apresentação. O ator brinca com situações reais pela qual já passou, notícias verdadeiras ou até mesmo a estupidez humana, só que filtradas por um olhar bem humorado, que enxerga o que há de mais hilário no cotidiano. Danilo é humorista, repórter, publicitário e cartunista. Formado em publicidade e propaganda, desde cedo se dedicou ? área artística.

{n}Dicas de Danilo para um bom espetáculo de comédia {/n}

– O comediante só pode se apresentar sozinho, jamais em dupla ou grupo;
– Só é permitido se apresentar com texto próprio. Não pode usar piadas que já caíram em uso popular ou foram recebidas pela Internet. Muito menos usar aquele truque muquirana de contar a anedota como se o fato tivesse acontecido de verdade, tipo eu tenho um tio português…
– Não pode fazer personagem. Também não vale transformar a si mesmo em personagem ou usar figurinos engraçados. Use roupas que você usaria normalmente, no dia-a-dia;
– Evitar contar casos. O material deve ser preferencialmente de tópicos de observação;
– Deixar bem clara a “persona” de cada um. Não tente fingir ser quem você não é. Seja você mesmo, sempre. Se você é mal humorado, seja assim no palco, por exemplo. E se em determinado dia você estiver de saco cheio, assuma; se estiver eufórico, idem; assuma o seu estado diante da platéia. Aliás, é importante também tentar trazer sua rotina pro mais perto de você o possível. Se o comediante for judeu, em algum momento fale de judeus, se for gay, fale sobre gays, se for nerd, fale sobre ser nerds, etc;
– Não é permitido o uso de trilha sonora ou qualquer tipo de sonoplastia;
– Não é permitido fazer nenhuma marcação de luz. Use apenas a iluminação básica do palco;
– Não é permitido o uso de cenografia ou adereço;
– Os comediantes podem e devem testar material novo diante da platéia. Vale desde improvisar tendo apenas o tópico em mente até ler as piadas, caso elas não estejam decoradas ainda;
– Não forçar a barra. Se você tem apenas cinco minutos de material, faça uma apresentação de cinco minutos e saia. Tudo bem. Não enrole. As apresentações, aliás, serão sempre de 5, 10 ou 15 minutos.

Foto: Divulgação