Dança de rua visa a auto estima e consciência corporal

Com 13 anos de  experiência e diversos campeonatos na capital,  o professor  Robson Amaro dos Santos, o Robinho,  ensina em Botucatu uma dança totalmente urbana conhecida como breaking  no projeto ação  da  Cidadania, no Jardim Santa Eliza,  atendendo  o setor oeste da cidade e na Associação Atlética Botucatuense (AAB). 

Robinho enfatiza que a dança breaking pode trazer grandes benefícios à saúde bem como qualidade de vida invejável àqueles que praticam regularmente e principalmente quem vivencia a essência das magias e emoções em competições.

Entre os benefícios da dança ele destaca maior consciência corporal, desenvolve o equilíbrio, desafia a percepção espacial, coordenação motora e a vivência dentro de uma cultura totalmente urbana. “A dança trabalha a parte psicológica, social, emocional melhorando o ritmo, a musicalidade, a amplitude dos movimentos, além da capacidade cardiorrespiratória atuando no controle da pressão arterial e obesidade”, enumera Robinho.

Também realça que a dança, como um todo, é um ótimo exercício físico para aqueles que não estão acostumados a rotina de vida, pois leva a pessoa a trabalhar planos corporais que dificilmente constrói durante o dia-a-dia. Praticada com orientação, prossegue Robinho, consegue reunir características que nenhum outro exercício consegue com tanta eficácia e promove uma melhoria global no individuo.

“Iniciando a dança breaking,  dos movimentos mais lentos aos mais rápidos, o organismo produz a endorfina, conhecida como o hormônio da felicidade, bem estar e harmonia com a sua gravidade diária. É entregar-se ao prazer de acompanhar o ritmo da música, vivenciar e socializar sua energia e o remédio que garante a saúde física e mental, tendo como efeito colateral, a diversão garantida”, disse. “A dança de rua vai muito além de uma forma de dança. É mais que tudo, um estilo de vida para quem ama o hip hop, é atitude, é arte”, complementa.