Cultura promove encontro de dirigentes de museus

A secretaria de Cultura promoveu na tarde desta quinta-feira o 1º Encontro de Colecionadores e Dirigentes de Museus, que reuniu diversas pessoas no Espaço Cultural “Antônio Gabriel Marão”, que fica na Avenida Dom Lúcio, nº 775, região central da cidade.

O secretário de Cultura, Osni Ribeiro (foto), revelou que o encontro foi para reunir colecionadores e possuidores de acervos que são verdadeiros museus particulares, com a finalidade de conhecer o que eles estão fazendo, como eles trabalham e o que precisariam para expor seus acervos e funcionar de uma maneira mais adequada.

“Com isso saberemos como a gente poderia fazer inteiração do Poder Público com esses colecionadores para dinamizar esse movimento e criar um sistema municipal de museus para mostrar para pessoas que vêm para a cidade com interesse histórico e tenham um roteiro do que poderiam visitar, e o que encontrariam de informação”, frisa Ribeiro.

Ele revela que desde o ano passado tem se envolvido bastante na questão dos museus, tanto na recuperação do Museu Histórico de Botucatu como, na continuidade da programação do Museu de Arte Contemporânea (MAC) e com isso, participou de muitas reuniões em São Paulo, relacionadas ao Ministério da Cultura a Secretaria de Estado.

“Pela atuação visibilidade que essa nossa atuação causou, Botucatu foi escolhida como sede do Sistema Estadual de Museus (Sisem), que agrega 35 cidades e os encontros regionais acontecem aqui”, diz Ribeiro

Nesses encontros, prossegue o secretário, pudemos constatar que se os encontros regionais acontecem aqui, temos um município que está tendo visibilidade. “A gente identificou esses colecionadores com museus particulares que funcionam esporadicamente, com regras diferenciadas e tivemos a idéia de reunir essas pessoas e fazer um trabalho que dê mais visibilidade aos acervos”, salienta.

Sobre o Museu Histórico de Botucatu, Osni Ribeiro é taxativo. “Estamos restaurando há um ano o nosso Museu Histórico, que ficou abandonado em diferentes locais nos últimos anos. Hoje as peças estão numa casa na Rua Amando de Barros para que possamos encontrar um local adequado para visitação pública”.

Fotos: Fernando Ribeiro