Cultura faz mostra de cineasta que viveu em Botucatu

A Secretaria Municipal de Cultura realizará, nos dias 10 e 11 de maio, a Mostra de Cinema Nilson Villas Bôas “Bhig Filmes”. O evento, com entrada franca ao público, apresentará seis curtas e um documentário do cinesta que nasceu em Bauru e viveu toda a sua infância e adolescência em Botucatu. As obras foram premiadas em festivais nacionais e internacionais.

Na sexta-feira (10), ? s 20 horas, no Teatro Municipal “Camillo Fernandez Dinucci” serão exibidos os curtas “A Mulher do Atirador de Facas”, “Frio na Barriga”, “Silvio Pléticos, um Artista em Construção”, “Palavra a Palavra”, “Caro Mr. Muller” e “Semente Japonesa”. Em seguida, o cineasta estará ? disposição do público para conversar sobre sua carreira e detalhes que envolveram as produções.

No sábado (11), ? s 20 horas, no Centro Cultural de Botucatu, em parceria com o Cine Clube Ybitu Katu, serão exibidos os curtas “A Mulher do Atirador de Facas” e “Frio na Barriga”, além do documentário “O Último Kuarup Branco” (foto), menção honrosa no III Docs-DF / México, com o qual Villas Bôas conquistou importantes parcerias internacionais para distribuição e co-produção de filmes.

De acordo com o secretário municipal de Cultura, Osni Ribeiro, o cineasta botucatuense Reinaldo Volpato foi o responsável pela aproximação de Viilas Bôas com a Secretaria de Cultura para a realização da mostra. “De fato foi o Reinaldo fez essa ponte, permitindo que trouxéssemos o Bhig pela primeira vez de volta ? cidade onde estudou, cresceu e foi criado. Muitos nem sabiam que ele havia seguido a carreira de cineasta e agora terão a chance de ter contato com sua obra”, declara.

Villas Bôas confirma a participação decisiva de Volpato para seu retorno a Botucatu. “O Reinaldo Volpato foi meu melhor amigo da adolescência. Depois de passar sete anos na Unicamp tentando me adaptar a um curso na área das ciências exatas, influenciado pelo amigo, que já estava se formando em cinema pela USP, acabei virando um cineasta empírico e autodidata. E foi ele quem me abriu as portas para este retorno tão cheio de emoções e significados ? minha amada Botucatu”, afirma.

{n}Biografia {/n}

Nilson Villas Bôas (Bhig) nasceu em Bauru (SP) em 1952, viveu toda a sua infância e adolescência em Botucatu (SP). Em 1970 ingressou na UNICAMP na área de Ciências Exatas. No final dos anos 70, teve os primeiros contatos com o Cinema. Fez parte da Gira Filmes onde realizou seus primeiros curtas. Trabalhou com vários diretores de São Paulo e Rio de Janeiro até se dedicar exclusivamente a projetos de sua autoria.

No final da década e 80 dirigiu os curtas Frio na Barriga (melhor filme no RioCine Festival 1988) e A Mulher do Atirador de Facas, com o qual ganhou o prêmio de melhor diretor no Festival de Gramados (1989) e melhor filme no Festival de Havana, Cuba (1990) além de vários outros prêmios técnicos.

Em 1990 começou atuar também no mercado publicitário onde dirigiu mais de 700 filmes e vídeos comerciais e empresariais. Em 2004 fixou-se em Santa Catarina onde desenvolveu na SETCOM, sua atual produtora, séries documentais e programas para a RBS-TV (Globo-SC) e outras redes locais. Dirigiu o programa “Conexão XXI” e as séries ”Santa Catarina – História & Evolução”, “Caro Mr. Muller…”, “Os Monges e o exército Encantado”, “Semente Japonesa”, “O Colecionador de Insetos”, “As Borboletas do Imperador, “Palavra a Palavra”, “Meyer Filho – O Marciano da Ilha”, “Zininho – O Tal Poeta”, “Franklin Cascaes – Histórias do Mestre Cascaes”, “Silvio Pléticos – Um artista em Construção”, “Cruz e Sousa – O Poeta Assinalado”, “Festas de Outubro” e “Essa Gente Navegante”. Realizou também os filmes “Yã Katu” e “O Último Kuarup Branco” (menção honrosa no III Docs-DF / México) com o qual conquistou importantes parcerias internacionais para distribuição e co-produção de filmes.

Atualmente está preparando para exibição em TV a produção dos documentários “Freeway” e “Navega Brasil”, as séries documentais “Roteiros da Imigração de Santa Catarina” e “Sabores & Sotaques” e a série ficcional “O Segredo das Sombras”. Para cinema desenvolve os longas “Santos Roubados” e “R_Evolution”.

Como técnico, trabalhou em filmes de diretores como João Batista de Andrade, Denoy de Oliveira, Joaquim Pedro de Andrade, Chico Botelho, Augusto Sevá, André Klotzel, Reinaldo Volpato e outros.

Foi Presidente da ABD-SP nos anos 1985/86 e Membro do Conselho Consultivo do Congresso Brasileiro de Cinema nos anos 2010/2011. Atualmente é Diretor da APBA – Associação das Produtoras Brasileiras do Audiovisual e Vice-Presidente do Santacine – Sindicato da Indústria do Audiovisual de Santa Catarina.

{n}Curtas{/n}

A Mulher do Atirador de Facas
Sinopse – O amor é uma faca afiada, que fere, corta, zune veloz com o rumo nem sempre preciso.
Ficção
Elenco – Nei Latorraca e Carla Camurati
Duração – 10’
Formato – 35 mm
Melhor Direção, Atriz e Música Original – XVII Festival de Gramado
Melhor Direção de Arte – RioCine Festival (1989)
Melhor Filme Festival de Havana (1989)
Melhor Filme e Roteiro na Jornada do Maranhão (1989)

Frio na Barriga
Sinopse – Uma fantasia urbana onde os movimentos de um bailarino e de uma mímica se procuram obssessivamente pela noite da cidade.
Ficção
Elenco – Ismael Ivo e Marina Mesquita
Duração – 10’
Formato – 35 mm
Melhor Filme no RioCine Festival (1989)
Troféu Macunaíma – Concedido pela Federação Nacional de Cineclubes no RioCine Festival (1989)

Silvio Pléticos, Um artista em Construção
Sinopse – A vida e obra de Silvio Pléticos, o mais completo artista plástico catarinense. Nascido na antiga Yugoslávia, adotou Santa Catarina como sua terra onde viveu a maior parte de sua vida e criou praticamente toda a sua obra.
Documentário
Duração – 15
Formato – HD
2010

Palavra a Palavra
Sinopse – A vida e a obra de Lindolf Bell, o idealizador da catequese poética, um movimento que levou poesia para as ruas nos anos da ditadura. Realizou dezenas de projetos em nome de alimentos para a alma humana. Colocou poesias em camisetas, em garrafas lançadas ao rio, em postais, painéis, em livros e praças, tudo com a mesma naturalidade de quem está espalhando emoção.
“Menor do que o meu sonho não posso ser”, dizia o poeta maior e mais constante da história da literatura catarinense.
Documentário
Duração – 15
Formato – HD
2009

Caro Mr. Muller…
Sinopse – “Caro Mr. Müller…” Documentário sobre a fascinante história do imigrante alemão que veio para o Brasil em 1854, se correspondeu com Charles Darwin por 16 anos, e se tornou o maior naturalista brasileiro do século XIX e um dos maiores do mundo, ao comprovar a Teoria da Evolução das Espécies nas matas de Santa Catarina.
Documentário
Tempo – 02 capítulos de 15’
2006

Semente Japonesa
Snopse – Em 1945, duas rosas tristes são plantadas na terra do sol nascente. As bombas de Hiroshima e Nagasaqui mudam para sempre a face e solo do Japão. E lançam as sementes do seu povo por outras terras do planeta. Em 1963, no solo catarinense, uma semente inesperada da rosa de Nagasaqui é semeada e gera vida: a cultura japonesa se estabelece em Frei Rogério, SC, e é cultivada em suas diversas manifestações e costumes tradicionais, como as práticas do Aikido, Bonsai, Origami, Shodô, Taiko e Cerimônia do Chá. Ali, o Sr. Kazumi Ogawa sobrevivente da rosa mortal em Nagasaki plantou uma semente de vida, a da pêra asiática, celebrada junto aos demais frutos preciosos da região na festa da primavera no Parque Sakura. É o período de floração dos pomares e do culto ? Paz.
Documentário
Tempo – 02 capítulos de 15’
2008

O Último Kuarup Branco
Sinopse – “O Último Kuarup Branco” é uma viagem onírica de contato, imersa em um ambiente visual que evoca os estados alterados de consciência nos misteriosos rituais indígenas do Xingu. Percebemos, com horror, que além de destruir a nós mesmos numa espécie de insanidade coletiva, nossa civilização destrói também esses povos ancestrais, que vivem sob um sofisticado sistema de respeito aos ciclos naturais e humanos. E recebemos uma mensagem da velha índia Ayré, da nação Ikpeng: “Não nos matem”. É como uma advertência do próprio coração humano que diz: “não esqueçam a humanidade que habita em vocês”.
Documentário
Duração – 52’ (ou versão com 72’)
Formato – HD
Menção Honrosa no IV DOCs DF – México (2008)