Achados arqueológicos com 11 mil começam a ser divulgados na região

arqueologiaComeça no próximo dia 23 o “Programa de Educação Patrimonial Pelos Caminhos da Arqueologia”. Ocorrerão palestras, rodas de conversa, exposições das peças e programas de formações de professores com o objetivo de socializar os resultados das pesquisas arqueológicas realizadas para o  licenciamento ambiental de áreas de expansão de lavoura da Usina São Manoel nas cidades de Botucatu, São Manuel, Igaraçu do Tietê, Pratânia e Areiópolis.

Durante a pesquisa arqueológica, o sítio arqueológico Caetetuba trouxe evidências de uma das ocupações mais antigas do estado:  11 mil anos. “Estas evidências inserem a região numa das rotas iniciais de colonização humana nas Américas. A antiguidade sugere que os grupos que habitaram a região fazem parte de uma onda mais antiga de imigração que chegou ao continente pelo Estreito de Bering, o conhecido ‘povo de Luzia’.”, explica Paulo Zanettini, coordenador do Projeto.

Arqueólogos pesquisaram 14 sítios arqueológicos, sendo que 11 foram resgatados, totalizando mais de 9 mil peças coletadas. Outros três sítios arqueológicos foram delimitados e sinalizados, conforme determinação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional –  IPHAN, como o sítio Serrito II. “Esse local tem gravuras rupestres feitas possivelmente pelos antigos povoadores em seus deslocamentos pelo território explorando os recursos naturais”, conta Zanettini.

Outro cenário de ocupação identificado remete a pelo menos 1200 anos, sendo caracterizado por sítios contendo centenas de fragmentos de vasilhas de barro. De acordo com a arqueóloga Camila Wichers, consultora do projeto, a decoração das peças pode relacioná-las aos povos Guarani. “Porém um dos objetos apresenta um tipo de decoração que remete a outras culturas distintas, apresentando características de povos de outras partes da América do Sul. Seria uma evidência das trocas realizadas na região? Não sabemos ao certo”, expõe a arqueóloga.

A socialização das pesquisas

O “Programa de Educação Patrimonial: Pelos caminhos da Arqueologia” atende às exigências legais de socialização e divulgação das pesquisas arqueológicas realizadas nas áreas de expansão da Usina Açucareira São Manuel.

Em parceria com várias instituições educacionais e culturais nos municípios de São Manuel, Botucatu, Pratânia, Areiópolis e Igaraçu do Tietê, serão realizadas mais de 45  atividades diversas, como oficinas de formação com educadores das redes municipais e estaduais, rodas de conversas em instituições culturais e museus e uma exposição itinerante que percorrerá várias escolas e algumas instituições culturais. “Essa exposição possibilitará aos moradores da região o contato direto com os artefatos coletados nas pesquisas, como aqueles datados em mais de 11 mil anos. Além disso, a exposição contará com painéis, mapa das pesquisas e outros recursos lúdicos e educativos”, explica Aluane de Sá, museóloga e coordenadora do programa educativo.

Aluane destaca a importância do programa contar com três publicações de apoio: uma direcionada ao público adulto, sobretudo, aos educadores, intitulada “Pelos caminhos da Arqueologia”, com informações acerca da Arqueologia e do patrimônio cultural da região; Outra, dedicada ao público infanto-juvenil, é uma reimpressão do livro “Arqueologia: uma atividade muito divertida” do Laboratório de Arqueologia Pública da Universidade Estadual de Campinas, que será acompanhado do livreto de imagens “Onze mil anos em São Manuel”.

O lançamento do programa

No dia 23, às 15 horas, no Lions Clube de São Manuel, será lançado todo o “Programa de Educação Patrimonial: Pelos caminhos da Arqueologia”. O evento contará com a presença de representantes da Usina São Manoel; Paulo Zanettini, arqueólogo coordenado da pesquisa; Camila Moraes Wichers, arqueóloga consultora do projeto e docente da Universidade Federal de Goiás; e Aluane de Sá, museóloga e coordenadora do programa educativo.

No dia 24 de outubro, o programa será lançado em Botucatu, no Museu do Café da Fazenda Lageado da UNESP, às 14 horas. Na ocasião, também serão expostos os objetos encontrados durante a pesquisa arqueológica e também estarão presentes arqueólogos que participaram das pesquisas.

As atividades ocorrerão na região continuamente até o dia 20 de outubro.

Confira as atividades abertas ao público em geral:

Botucatu

24 de Setembro / sábado

Museu do Café – Fazenda Lageado (Rua José Barbosa de Barros, nº 1780 – Campus da UNESP)

Horário:  A partir das 14hs

 

São Manuel

23 de Setembro/ sexta-feira

Lions Clube de São Manuel (Rua Manoel Agostinho da Silva, 75 – Jardim São José)

Horário: 15 horas

 

25 de Setembro / domingo

Museu Histórico e Pedagógico Padre Manuel de Nóbrega (Rua Gomes de Faria, nº 348 – Centro)

Horário: Das 16 às 20 horas