“Dinda” é a grande campeã do Botucanto 2013

“Queria que a verdade fosse como um fruto/ Que a gente alcançasse a qualquer minuto/Fosse como um doce/E que terna fosse/Que me Iluminasse/Como a luz da tarde que o azul me trouxe”. Esse é uma das estrofes da canção “Dinda”, de autoria de Joel Damasceno (Brotas) interpretada por Danielle Alcarpe, que venceu a 10ª edição do Botucanto 2013 e levou o prêmio de R$ 8 mil.

Em segundo lugar foi escolhida “Because ousa”, dos autores João Guarizo e Dani Black, de São Paulo, defendida no palco pela cantora Duda Brack. Já em terceiro ficou “Por favor”, composta por Bianca Godoi e Vinicius Bolinho, do Rio de Janeiro, interpretada pelos próprios autores.

Já o prêmio de melhor música do Cantos da Cuesta (onde participaram artistas somente da região de Botucatu e quatro delas foram classificadas para o Botucanto) foi dado para “Novos Conceitos”, de Botucatu, composta por Piteco e Rodrigo Araújo e interpretada por Lunarsoul.

Com um público estimado em 15 mil pessoas nas três noites de apresentações (quinta-feira, sexta-feira e sábado) o Festival Botucanto foi promovido pela Secretaria Municipal de Cultura, no Espaço Cultural Doutor Antônio Gabriel Marão, com apoio do Governo do Estado de São Paulo.

Além das 20 canções classificadas que concorreram ao prêmio máximo, o festival trouxe uma gama diversificada de atrações, com entrada franca. Com uma tenda de mil metros quadrados, palco e praça de alimentação, o evento recebeu artistas de várias regiões do Brasil.

{n}Jurados{/n}

Para ouvir e escolher dentre os artistas de grande qualidade que estiveram mostrando sua arte em Botucatu, o Festival convidou nomes respeitados ligados ? música brasileira. O corpo de jurados do Botucanto 2013 teve, por exemplo, Jaime Além, diretor musical dos discos e espetáculos da cantora Maria Bethânia por mais de 25 anos.

Também compuseram o júri Edvaldo Santana, cantor e compositor, parceiro de nomes como Itamar Assumpção, Arnaldo Antunes e Tom Zé; Skowa, cantor, compositor e instrumentista, integrante do Trio Mocotó; Myriam Taubkin, produtora cultural especializada em música brasileira e Tavito, ex-integrante do conjunto Som Imaginário que acompanhou Milton Nascimento. É compositor de canções como Rua Ramalhete e Casa no Campo, um dos maiores sucessos de Elis Regina.

{n}Negra Li{/n}

Na quinta-feira (29), primeira noite de eliminatórias, o público conferiu o pocket show (apresentação de 20 minutos) do duo Sambulus, com seu som original que mistura música erudita, samba, rock, blues e jazz. A cantora Negra Li, uma das melhores vozes da sua geração, encerrou a noite com sua black music.

{n}Samba de Rainha{/n}

O samba deu o tom da eliminatória de sexta-feira (29). Além de mais dez canções concorrentes no festival, aconteceu o pocket show com os gaúchos Alana Moraes e Gabriel Selvage. A cantora e o violonista mostraram um repertório baseado em sambas, choros, sem abrir mão da influência da música do sul do país. O encerramento da noite ficou por conta do grupo Samba de Rainha. Integralmente formado por mulheres, o grupo apresentou o melhor do samba, com um repertório recheado de clássicos do gênero.

{n}Alceu Valença{/n}

No sábado (30) aconteceu a grande final do festival. Além da apresentação das finalistas e da premiação, o violeiro Índio Cachoeira, um dos mais respeitados da música caipira raiz, mostrou seus ponteados e homenageou o lendário Tião Carreiro. Alceu Valença, um dos maiores artistas da música brasileira, fechou a noite. Acompanhado de sua banda, mostrou toda a diversidade de seu repertório cantando seus grandes sucessos.