UMA “VIDA NOVA” QUE JÁ DURA QUASE DUAS DÉCADAS

 

alemaoEta “nóis”! O nosso Brasil parece mesmo estar de ponta cabeça! O que vemos de coisas estúpidas e sem sentido é algo assustador. Tenho a sensação que nem mesmo Deus está sendo lembrado nos dias atuais (exceto quando a água bate no bumbum das pessoas). Estão querendo prender até o “todo poderoso” da política nacional (o Ex Presidente Lula) que, segundo os Promotores Federais é “comandante” de uma quadrilha que, há vários anos, vem desviando dinheiro público. É o fim de tudo!

“Bão”, além de ir “levando a vida”, claro que dentro dos conceitos que aprendi com o meu pobre berço, devo confessar que não dou muita ênfase para essas “aberrações”, todinhas maníacas a meu ver, no entanto, como cidadão de bem tenho que de fato, concordar que estamos vivendo um quadro extremamente preocupante. Nos dias atuais, decência, seriedade e respeito são palavras em extinção no nosso vocabulário.

Sem qualquer tipo de oba-oba, vou direto aos fatos que me proporcionaram inspiração para mostrar toda a minha insatisfação em relação a esse quadro (a meu ver) desesperador.

Na semana passada, uma das entidades de classe mais respeitadas de todo o nosso Estado, a Associação dos Servidores da UNESP – ASU realizou eleição para a escolha da sua nova diretoria. Tudo teria de ser efetuado de maneira bastante democrática, até porque esta entidade, diferentemente do que pensam muitos “democráticos” (um “punhado” que falam tanto em DEMOCRACIA e, na hora H, fazem de tudo para promover a bagunça e a bandidagem) sempre pautou pela legalidade e moralidade; entretanto, casos obscuros e levianos ocorridos ao longo do pleito mancharam um pouquinho o anseio que muitos unespianos da “velha guarda” tinham de preservar a história de lisura da nossa querida “associação”.

Aliás, fatos tristes e inadmissíveis, cometidos por pessoas que sequer têm a consciência de que numa eleição é oferecido aos candidatos, tão somente o direito de mostrar ao eleitor tudo aquilo que almejam fazer e não o direito de caluniarem pessoas honradas com mentiras absurdas. O quê se viu de “conversa fiada” e enganação, principalmente no dia da eleição, foi algo repudiado demais.

Como fui mais um dentre um “montão” de associados que almejavam ver, de novo, uma grande família ser montada à frente da ASU e, por ter sido Presidente desta maravilha (por três mandatos consecutivos), virei a “bola da vez” desses “oposicionistas” (o Brasil está cheio desses picaretas) que se acham capazes de dar “nortes” positivos a todo processo eleitoral realizado entre nós. Acho que estamos caminhando para o final dessas incoerências, afinal, só nos últimos dias, dois “expoentes” dessa política imunda tiveram as suas “carreiras” interrompidas por serem safados e mentirosos: a toda poderosa “presidenta” do Brasil e o Presidente da Câmara dos Deputados.

O quê explica um presidente (do FUSS) que terminou o seu mandato há mais de quinze meses e que, mesmo assim (como beneficiário de um serviço que era oferecido gratuitamente por aquele órgão) continuou lutando para não perder esse benefício, ser alvo de tantas calúnias? Por que uma pessoa que vive para o próximo, fazendo, com auxílio de muitos e muitos parceiros, algo em prol do bem de muita gente (a tal presidente que já se achava eleita com a palavra, afinal, um dia ela também se deparou com a generosidade do meu coração) ser, de modo deselegante e maldoso, exposto à sociedade como mau caráter?

Maus elementos são essas pessoas inescrupulosas, levianas e sem alma (todos covardes de grau máximo) que, é bom que se diga, não tiveram a coragem de colocar o meu nome num “MANIFESTO” que “rolou” pelo campus afora, mas, usaram e abusaram dele nas andanças que fizeram, principalmente nos corredores do HC. Volto a dizer o quê disse na minha manifestação pós-vitória: “essas pessoas precisam de ORAÇÃO”, só isso!

Não posso negar que fiquei muito entristecido com toda essa onda de difamação e abuso, afinal, ser malhado injustamente e receber críticas abusivas e mentirosas nos faz perder o “chão”. Confesso que cheguei até a pensar que os meus irmãos, dirigentes maiores da FAMESP, Fundação sustentadora do nosso HC – por sinal, todos sabedores desta triste realidade (o fechamento do FUSS) e, mais ainda, dessa estúpida intenção de pessoas mesquinhas que tentavam jogar o meu nome na lata do lixo – iriam esboçar um COMUNICADO à nossa comunidade relatando a VERDADE dos FATOS. Que nada! Infelizmente isso não ocorreu.

Quero dizer também que todas essas injustiças que tentaram “levar a sério”, não me afetaram quase em nada, porque apesar do meu coração sentir (e muito) todo tipo de agressão, o meu Deus se incumbe de mostrar o outro lado da moeda, ou seja, a VERDADE de tudo, a quem quer que seja. Essas aberrações não foram suficientes para alçarem o posto que imaginavam. Perderam mais uma!

Repudio também, com veemência, a conduta de dois amigos, funcionários antigos da casa como eu, que também já haviam se deparado com a minha “mão amiga” e que fizeram parte de uma comissão que visava os mesmos objetivos, ou seja, não interromper as atividades do nosso FUSS – Fundo Social dos Servidores da FM, HC e FAMESP; e outro, por quem tenho muito respeito e que, inclusive, por ser conselheiro do Conselho Administrativo da FAMESP, tomou conhecimento dessa triste realidade antes de todos nós, portanto, conhecedores claros desta triste situação, pelo desrespeito dispensado a um amigo que, nunca deixou de trabalhar pela comunidade e que jamais pensou em decepcionar ninguém, nem mesmo esses estúpidos que um dia já se curvaram diante da minha prontidão e atendimento imediato. Que pena!

Por fim, quero bem ao meu modo – aliás, um jeito carinhoso que conquistei no meu sofrido berço – convidar todos (todos mesmos) esses companheiros que foram induzidos a acreditar na minha altíssima “periculosidade”, a conhecer o meu dia a dia, lá nas Casas de Apoio. Talvez só assim seja possível medir o comprometimento de alguém que, com as graças DELE, não faz outra coisa neste mundinho incerto e passageiro, senão, trabalhar, trabalhar e trabalhar, sempre priorizando o bem comum.

Agora, mais “leve e solto”, quero falar do que mais gosto (apenas lamentando este desabafo), ou seja, dos frutos que uma grande maioria de servidores da UNESP colheu no dia 13 de setembro: a expectativa de ser montada na nossa querida ASU uma grande família. Que beleza! Como foi gostoso ver o mal ser batido pelo bem! Como foi prazeroso saber que neste mundinho totalmente passageiro nem tudo está perdido.

Espero que algumas pessoas (não os eleitores, mas alguns integrantes da chapa perdedora) entendam de vez, que CARATER, SERIEDADE e DIGNIDADE (e não a MENTIRA) são os principais quesitos para um cidadão ser considerado DEMOCRÁTICO.

Enfim, meus amigos, esta foi a 14ª eleição (doze delas como “cabeça de chapa”) em que tive a confiança da maioria absoluta dos colegas servidores. Que venham outras! A nossa “VIDA NOVA” JÁ DURA QUASE DUAS DÉCADAS! Glória!

Envio um fraternal abraço a três ilustres “botucudos”, que além de meus amigos, são leitores assíduos das minhas narrativas semanais: Ademir Florian, o “dono” da chapa “VIDA NOVA”; Denílson Diogo Tavares, o querido Bombeiro Tavares, meu grande orientador e o menino Eliomar Gomes, que foi um dos muitos assinantes do jornal que gostaram do artigo publicado nesta coluna sobre a nossa Rua Amando de Barros.

Encerro este “conto” abraçando e parabenizando todo o pessoal do Colégio LICEU/ANGLO, muito especialmente à sua Diretora Nádia Lúcia Paganini Burini. Comandados pelas professoras Elisângela Dias de Oliveira (Coordenadora), Rosemary Ap Basseto Garcia e Vanessa Carla Coelho, vários alunos deste valioso centro educacional aqui da terrinha, visitaram as Casas de Apoio do HC, trazendo na “bagagem” um punhado de donativos (produtos de higiene pessoal) arrecadados numa ação benevolente realizada durante o mês que passou por lá. Parabéns a todos!

 

Rubens de Almeida Alemão

alemao.famesp@gmail.com