UMA “DOMINGOS SARTORI” MAIS BEM CUIDADA E MENOS PERIGOSA

Meses atrás, tão logo a terceirizada responsável por dar manutenção ? Rodovia Domingos Sartori (concessionária Vale do Tietê) concluiu os reparos na via de acesso ao campus universitário da Unesp, em Rubião Júnior emiti a minha opinião sobre as referidas melhorias realizadas nesse importante e concorrido trecho.

Lembro-me ainda do título que utilizei nesta minha coluna, que inclusive chamou a atenção de muitos leitores do nosso ACONTECE: “A RODOVIA DOMINGOS SARTORI PODERIA MELHORAR UM POUCO MAIS”.

Naquela oportunidade afirmei com muita propriedade (até porque, sou um usuário frequente dessa pista) que a melhora havia sido empreendida, no entanto, fiz questão de citar que em alguns pontos, as intervenções poderiam ter sido mais bem desempenhadas tecnicamente.

Recordo-me que falei do descaso no cuidado com o canteiro central (até agora eles permanecem sujos e mal cuidados; o que custava plantar uma florzinha ali?); questionei a existência de placas de sinalização “vazias” (até ontem, duas indicações de afunilamento de pista encontram-se ? s margens da rodovia sem necessidade alguma); estranhei o fato do início da via estar projetado muito além dos trilhos da via férrea; comentei sobre o esquecimento na manutenção dos trevos de acesso (eles continuam um “caco”) e, por fim, disse que se uma rodovia tão usada como essa tivesse um acostamento adequado (nos dois sentidos), muitas vidas seriam salvas (infelizmente, muitos acidentes continuam ocorrendo).

Eis que para minha surpresa, dias depois de eu ter recebido muitos elogios (mais de cinquenta ligações) de leitores que me parabenizaram pelas minhas colocações – afinal fui porta voz de muitos motoristas – fiquei surpreso com um PEDIDO DE RESPOSTA formulada pela assessoria de imprensa, da Vale do Tietê. Confesso que não entendi nada e, muito menos, a insatisfação da concessionária em relação ao meu artigo.

Obviamente que o jornal atendeu ? reivindicação da Vale e cedeu-lhe espaço suficiente para a réplica. “Longe de mim” atentar contra a liberdade de imprensa ou abrir mão do respeito que nutro pelas diversas instituições, públicas ou privadas, mas sua assessoria “falou”, “falou” e “falou” e nada disse. Chegaram até a dizer que a manutenção da entrada do Jardim Tropical é dever do município. Claro que sabemos disso! Volto a afirmar, o que disse naquele “causo”, agora com mais firmeza ainda: A Rodovia Domingos Sartori ficou melhor do que estava, no entanto, poderia estar muito melhor.

Aliás, aproveito o ensejo para avisar os diretores desta prestadora de serviços (Via Estado), aos munícipes usuários dessa rodovia que, um pouco mais adiante de onde estão as placas que indicam um afunilamento (inexistente) da pista (e não tem que existir mesmo!) uma proteção (guard rail) está quase em cima da faixa que separa a pista da direita do acostamento (também inexistente). Por várias vezes tive chance de ver motoristas se assustar com a suposta “proteção”.

Acho que com essa “baita” onda de protestos que presenciamos por todo o país, a nossa gente está mais madura e consequentemente, nossos governantes estão mais “ligados”; com certeza eles estão mais atentos aos serviços prestados ao público, principalmente, os terceirizados. Não tenho dúvida nenhuma de que reivindicações em prol de uma Domingos Sartori mais bem cuidada e menos perigosa serão mais frequentes daqui por diante.

Por sinal, logo após o gravíssimo acidente ocorrido na semana passada, num trecho crucial da dita cuja, onde outra nossa colega de trabalho (Marly Batista Ribeiro Giudice), lamentavelmente perdeu a vida de maneira brutal, circulam pelos corredores, departamentos e setores de todo o campus unespiano, muito especialmente, em todas as unidades do Hospital das Clínicas, um “punhado” de abaixo-assinados exigindo do poder público a definitiva adequação da Domingos Sartori.

Também tive conhecimento, através do nosso “Acontece”, que o Prefeito João Cury Neto está “juntando” pessoas com o propósito de discutir e melhorar, de fato, as condições de todo o percurso da Domingos Sartori e da Antonio Butignoli (que será duplicada).

Com muito orgulho, dedico o meu carinhoso abraço desta semana a um dos maiores radialistas de todo o nosso Estado; um profissional que dispensa comentários e que, como diz o meu compadre Zé Rico, tem muita história “pra” contar: meu querido irmão Rubens Roberto Herbst.

Tive a grata satisfação de me encontrar com ele esta semana, na Rádio Municipalista onde ele, a jornalista Adriana Donini e os meninos Renan Contessoti e Vinicius dos Santos estão esboçando o lindo projeto “Memórias do Rádio”.

Parabéns pelo maravilhoso trabalho de recuperação do acervo da nossa “Rádio do Povo”, querido Rubão. Quem sabe depois desta missão você volta a nos alegrar com o seu “badalado” programa “A Volta do Sucesso”.

Amanhã tem festa das grandes na cidade de Pratânia. Os “Gargantas de Ouro” do Brasil, Milionário & Zé Rico alegrarão milhares de fãs no Espaço TERRA COUNTRY, num show histórico. Se Deus quiser, estarei lá para levar meu abraço e prestigiar esses amigos que são ótimos e gostam demais da nossa querida Botucatu.

Rubens de Almeida – Alemão
alemao.famesp@gmail.com