POLICIAL QUE SALVOU A VIDA DE UMA CRIANÇA RECEBE JUSTÍSSIMAS HOMENAGENS

Um Policial Militar lotado no 12º Batalhão do Policiamento Militar do Interior, no exercício das suas funções, no último dia 23 de fevereiro, atendeu uma chamada de Emergência, no disque 190, de um caso muito delicado, e mesmo com o “peso” da urgência de atendimento, diante da tamanha gravidade, conseguiu, graças à sua tranquilidade e competência, salvar a vida de uma criança de apenas um ano e meio de idade.

Este feito, até como parte dos princípios e da política adotada pelo Comando do 12º BPM I, nos últimos anos, rendeu uma “baita” e justa homenagem, que teve como “palco” a sede da Corporação, situada nos altos da cidade, mais precisamente, na Rua Coronel Júlio Marcondes Salgado, na manhã chuvosa da segunda-feira que passou.

Prazerosamente lá estive, ao lado de grandes parceiros e amigos, para prestigiar este, ou melhor, mais um ato de reconhecimento do comando da nossa gloriosa PM aos seus valorosos componentes.

Na oportunidade, vários policiais foram condecorados por suas dignas atuações; todos com justiça. Destaque para a atuação do Cabo PM Márcio Barboza dos Santos, nesta importante ocorrência que salvou uma vida, com certeza, transformou-se na “bola da vez” daquela manhã festiva. O grande amigo Márcio Barboza recebeu, com muito carinho, todas as honras que se reservam aos bons e dedicados profissionais; ele recebeu o prêmio de POLICIAL DO MÊS. Tudo foi emocionante.

Nesta mesma solenidade outros policiais também tiveram seus nomes lembrados, com ênfase nas suas atuações dentro do mês de fevereiro. Instituído no âmbito da Polícia Militar, no ano de 1974, a LÁUREA DE MÉRITO PESSOAL, conferida em cinco graus e em ordem decrescente premiou os seguintes policiais: Soldado PM Diogo Rhian de Castro Salvador (5º Grau); Soldado PM Rogério Correa Leite e Soldado PM Paulo Henrique Nascimento Castanho (4º Grau); 1º Tenente PM Danilo José Franco, 2º Sargento PM Altair Perassoli, Cabo PM Fábio Henrique de Moraes Contessoto e Soldado PM Rodrigo César da Conceição (3º Grau).

Encerradas as homenagens, o cerimonial abriu espaço para as autoridades que, com suas presenças, conferiram brilho a mais um evento grandioso dessa corporação que, sem sombra de dúvidas, vem dispensando um trabalho de alta qualidade à nossa gente.

O primeiro a falar foi o Comandante do Batalhão, Tenente Coronel Jorge Duarte Miguel. O meu amigo “sanfoneiro dos bons” não titubeou em abrir a sua “caixa de ferramentas”. Num discurso bem característico demonstrou uma satisfação enorme em ter participado, de corpo e alma, de todos os lances que neutralizaram a possibilidade de ocorrer uma tragédia na vizinha cidade de Conchas (só para lembrar, há menos de um ano marginais assassinaram, friamente, um policial dentro do seu ambiente de trabalho), no final de semana passada, em que um marginal de alta periculosidade trocou tiros com a PM e levou a pior. E então ele logo rememorou sua chegada entre nós nos idos de 2009.

“… Confesso que quando cheguei aqui no ano de 2009 senti um clima diferente, totalmente estranho. Não era isso que eu almejava vivenciar. No entanto, de lá “pra” cá, vivemos momentos históricos, principalmente com a união de forças de segurança da cidade; claro que isso se deve, em partes, ao estilo de comando demonstrado pelo Coronel Tardeli, enquanto esteve conosco, mas principalmente, ao potencial e ao gabarito de um profissional que tem um poder muito forte de articular e agregar pessoas: o Major Semensati. Esse moço é um exemplo de liderança. Só para ter uma idéia, nesse triste episódio de Conchas na semana passada, estávamos com a nossa equipe e sete Delegados de Polícia de prontidão; cada um querendo fazer a sua parte. Passamos frio e sentimos muita sede e fome naqueles momentos difíceis. Tenho certeza de que trabalhamos “ombro a ombro”, tanto “nóis” como a Polícia Civil. Ao final, o trabalho em equipe pesou. Conseguimos tirar, pelo menos um bandido de circulação. Isso tudo me faz prever que vou fechar a minha história aqui em Botucatu com “chave de ouro” (o “home” não se esquece da aposentadoria. Que pena!).

Depois foi a vez do sempre simpático e amigo (como ele bem disse aos seus subordinados) Coronel Vagner Tardeli, Comandante do Comando do Policiamento do Interior – CPI 7, sediado em Sorocaba, deixar sua mensagem. Espirituoso ao extremo, não cansou de brincar com um policial (o também “porcorense” Sargento Godoy) que, segundo ele, tinha “trabalhado” muito bem o visual do seu cabelo); o ex-piloto do Helicoptero AGUIA 2, da PM de São Paulo, não poupou elogios à cidade, chegando a dizer que lamentou profundamente o fato da sua filha ter sido aprovada no vestibular de Medicina da UNESP em Botucatu e ter optado pelo curso na USP.

Para ele Botucatu é uma cidade “classe A” para se morar. Falou do pouco, porém, muito proveitoso tempo em que esteve entre nós, elogiando os índices que marcam o nosso município como um dos mais seguros para se viver bem e com segurança (graças a Deus que ele não se lembrou de fazer comentários sobre um “causo” que envolve alguns amigos e que virou piada aqui na terrinha); elegantemente justificou a ausência dos “companheiros” da Polícia Civil que estavam (no mesmo horário) numa reunião importante em Sorocaba; falou maravilhas do Prefeito João Cury e do Major Semensati e, por fim, incumbiu suas palavras de serem as mensageiras de um abraço fraternal a todos os seus ex-subordinados aqui do 12º BPM I. É legal demais ver um comandante se declarar amigo dos seus subordinados.

Um pouquinho antes do nosso alcaide, “abraçar a causa” e também deixar a sua manifestação, o presidente do Poder Legislativo “Botucudo” vereador André Rogério “Curumim” Barboza, também fez uso da palavra. Como sempre, demonstrando bastante objetividade, o “menino” do populoso Distrito de Rubião Junior reservou todas as suas palavras para direcioná-las em forma de homenagens, aos condecorados, em particular, ao POLICIAL DO MÊS, Márcio Barboza dos Santos.

“Bão”, aí chegou a vez do Chefe do Executivo local João Cury Neto “fazer sua parte”. Caro leitor, como é prazeroso ouvir os que têm o dom da oratória; como é  interessante atentar para aquele que diz lindamente o que tem a dizer; mais agradável ainda é saber que quem o escuta, tem a certeza de que tudo o que está sendo dito é verdadeiro; foi “pra” lá de bom comparecer a este evento no qual o ilustre representante do povo foi convocado para “dar um brilho”, e o fez com muita propriedade, naturalidade e conhecimento de causa.

Meus amigos, o nosso jovem Prefeito Municipal “arrebentou”. Falou de parcerias; enalteceu a postura do Tenente Coronel Jorge à frente do Policiamento de Botucatu e a do Comandante Geral Vagner Tardeli; não abriu mão de elogiar a conduta do Capitão Alexander Cagliari, Comandante da 1ª Companhia; disse que o Governador Geraldo Alckmim, precisa saber que quem morreu em Conchas (naquela troca de tiros com a polícia) foi um bandido que matou um de nós (se referindo ao policial morto no ano passado num assalto ocorrido naquela localidade).

E eu, como um simples cidadão que almeja um mundo melhor, mais justo e mais digno para todos, não vou perder a oportunidade de “citar” apenas uma parte da sua valorosa “prosa” (por sinal, aplaudidíssima e que coincidentemente é trecho de uma música  – QUANDO EU ME CHAMAR SAUDADE – composição dos imortais Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito, maravilhosamente interpretada pelo famoso “Goiabão”, Nelson Gonçalves, nos anos 60, que retrata com muita firmeza a importância de valorizar e reconhecer as qualidades das pessoas em vida e, os dizeres de Santo Agostinho que também foram muito oportunos: “… as palavras comovem; porém, os exemplos é que se arrastam…”.

Enfim, mais uma vez participei de um evento imponente que reconheceu pública e merecidamente cidadãos dedicados com a função que exercem. Parabéns comando do 12º BPM I, por reconhecer o trabalho e a dedicação de profissionais que cuidam da nossa segurança. Aos premiados os nossos aplausos.

Nesta mesma linha de raciocínio, exatamente como exemplifica a música do saudoso cantor Nelson Gonçalves, cumprimento uma das maiores revelações da administração de patrimônios públicos que conheci: meu amigo João Francisco Chávari, Presidente da nossa querida Associação Atlética Ferroviária.

Na manhã do último sábado (28/03), momentos antes da partida de futebol entre os veteranos do tricolor botucatuense e uma equipe da cidade de Quadras, este valoroso dirigente do “tricolor da Baixada”, premiou duas figuras expressivas da sociedade “botucuda” com o Título de SÓCIOS HONORÁRIOS: meus amigos José Airton Amorim, um dos maiores craques do nosso futebol de todos os tempos e Valdir Duarte Florêncio, o eterno Presidente da Câmara Municipal de Botucatu. Aliás, o ex-itatinguense Valdir Duarte, além do título recebido, ainda emprestou o seu nome à Cabine dos Profissionais da Imprensa, lá no estádio “Dr Acrísio Paes Cruz”. Alegria à flor da pele! Emoção inenarrável! Parabéns pelas honrarias queridos amigos.

 

Rubens de Almeida – Alemão

                                                                                                                              alemao.famesp@gmail.com