GLORIOSA FERROVIÁRIA DOS SONHOS DE MUITA GENTE

associacao_atletica_ferroviaria_de_botucatu_sp_121910“Eta nóis”! Quem diria hein? A nossa querida e tão amada Associação Atlética Ferroviária – AAF – continua, a passos largos, trilhando pelos caminhos do crescimento, mesmo nesses momentos turbulentos, em que o Brasil enfrenta uma das suas maiores crises desde o seu descobrimento. Glória!                  

Como sabemos, está nada fácil administrar qualquer tipo de situação neste país norteado por picaretas travestidos de políticos. Nos dias atuais, neste Brasil Brasileiro, “gerenciado” por meia dúzia de aproveitadores, da pior espécie (graças a Deus a “turma do barulho”, mesmo com a justificativa de golpe, acabou afastada do poder) com muita frequência, deparamo-nos com todo tipo de dificuldade, principalmente, quando se trata de “cuidar” de patrimônio compartilhado, ou seja: de uma organização social.                     

Com a nossa conceituada Associação Atlética Ferroviária, um clube social e esportivo no qual nada menos do que três mil e quinhentos associados investem, mês após mês, a sua contribuição com bases estatutárias e           que, apesar de todo o seu prestígio – por sinal, uma conquista que chegou aos anais do clube, graças aos esforços de esportistas de gerações de esportistas que, grande parte dela, infelizmente não estão mais entre nós – nada é diferente.                                                                           

O nosso tricolor também amargou e continua amargando momentos desesperadores no seu dia a dia, afinal, ninguém sabe qual será o amanhã da nossa gente, quanto mais, como será o futuro de instituições sociais e esportivas. Porém, mesmo neste país mesquinho em tudo, por conta, exclusivamente, de determinados cidadãos que não sei o porquê, continuam em alta (acredite! Aqui em Botucatu tem um cidadão que doou uma quantidade expressiva de cobertores para a campanha dos cobertores de um ano e não cumpriu, ou melhor, não pagou a doação, que dizem estar em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de votos para Prefeito Municipal, aliás uma “manobra” que, a meu ver, deveria ser proibida pelo TSE – Tribunal Superior Eleitoral) a nossa AAF prossegue marchando rumo a um sucesso vitorioso e bastante promissor. Senão vejamos!                                                  

No ano passado, tão logo o clube completou 76 anos de existência, os diretores tricolores entregaram aos seus associados, uma academia de ginástica completamente reformada e um conjunto de piscinas térmicas, todinho renovado, duas preciosidades do “clube da baixada”. Era tudo o que milhares de sócios almejavam. Esse “baita” investimento custou aos cofres da entidade, três milhões de reais. Bão”, poucos meses se passaram desse grande e marcante momento e a administração deste exemplo de clube, maravilhosamente bem comandado pelo esportista João Francisco Chávari, voltou a enfrentar os desafios do desenvolvimento, tanto que, na tarde/noite do primeiro dia do mês em curso, numa solenidade “pra” lá de especial se incumbiu de entregar aos associados outras benfeitorias. Nesta noite, em meio a muita festança e um coquetel de causar inveja, foram entregues uma sala de funcional no espaço da academia; foi inaugurada uma sala de spinning, também na academia e aconteceu a entrega da nova iluminação do campo de futebol society e da quadra de tênis; além da reinauguração do espaço JALISCO que, a partir daquela data leva o nome do esportista Areovaldo Zanchita, o queridíssimo VADÃO, falecido recentemente.                    

Portanto, o título que utilizei como chamado neste “conto”, de fato, tem muito a ver com a vida do clube e, em especial com o sonho de todo e qualquer “ferroviário” associado da nossa Ferroviária. Com as graças DELE, o nosso PAI, desde que essa diretoria encabeçada pelo amigo João Chávari foi chamada para trabalhar pelo nosso tricolor, jamais o clube perdeu aquela grandeza construída a custo de muito sacrifício por um “tricolino” que trazia em seu semblante e, principalmente no seu coração, marcas de uma vida séria e muito comprometida com as coisas do bem: meu saudoso e inesquecível amigo Doutor Plínio Paganini que hoje mora no céu e que, com certeza, continua fazendo por lá, a sua parte.            

Parabéns querida Associação Atlética Ferroviária, por continuar neste crescente admirável, mesmo em meio à estúpida crise (claro que, muitas delas de cunho moral) que abalam cotidianamente, a todos nós brasileiros. Parabéns, queridos associados, por receberem mais alguns empreendimentos que, certamente serão de muita utilidade. Parabéns, grande presidente João Francisco Chávari, pela elegância e competência com que administra todo esse complexo esportivo fenomenal chamado Associação Atlética Ferroviária e, por persistir em cumprir o projeto esboçado, lá atrás, por um grupo de esportistas (Doutor Newton Colenci, Olavo Benedito Guerreiro, Doutor René Alves de Almeida, Doutor Eduardo Guedes Casemiro, Doutor Domingos Corvino, Rubens Galvani, Ângelo Lelis Cavalante e outros que , infelizmente fugiram à minha mente) que para tirarem o clube do buraco em que se encontrava, hipotecaram as suas próprias residências.

Meu fraternal abraço desta semana é endereçado, exclusivamente, aos profissionais do SAMU – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência    – que na semana passada festejaram os cinco anos de atividades deste serviço tão relevante na área da Saúde “pra” população, muito especialmente a encantadora Professora Mônica Moreli, um dos seus grandes pilares  que, para a minha grata satisfação é assídua leitora das minhas narrativas semanais.                                                                              

Apesar da dor, com carinho idêntico, abraço, em forma de homenagem póstuma, um dos maiores funcionários que a saudosa FCMBB – Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu teve ao longo de toda a sua existência, meu conterrâneo lá de trás, desde os tempos em que, prazerosamente, cobrava os ônibus que iam de Botucatu à Rubião Junior, que lamentavelmente nos deixou na tarde do dia 12 passado para ir ao encontro do Senhor: meu grande amigo Alcides Meneguim.                                   

Essa grande figura ofertou todos os seus ensinamentos por quase cinquenta anos à nossa UNESP. Quis Deus que chegasse o momento da sua partida. Descanse em paz querido amigo. Que ELE, o Todo Poderoso, o receba com todas as glórias que uma pessoa do bem faz por merecer. Até qualquer dia grande companheiro! 

 

Rubens de Almeida – Alemão 

alemao.famesp@gmail.com