“… ENTÃO É NATAL, E O QUE VOCÊ FEZ? O ANO TERMINA, E NASCE OUTRA VEZ…”!

 

“…Então é NATAL, a festa cristã, do velho e do novo, do amor como um todo.

Então bom NATAL e um ANO NOVO também.

Que seja feliz quem, souber o que é o bem.

Então é NATAL, pro enfermo e pro são.

Pro rico e pro pobre, num só coração.

Amarelo e vermelho, pra paz afinal.

Então bom NATAL e um ANO NOVO também.

Que seja feliz quem, souber o que é o bem…”

Êta título bonito, hein! Quem não se lembra desse encanto de música natalina, de autoria do compositor Cláudio Rabello e cantada pela incomparável cantora Simone?

De repente as nossas diferenças desaparecem e o mundo todo se confraterniza e ceia em clima de paz. Que segredo é esse? Será que esses sentimentos são sintomas da espera pela chegada do tão sonhado Papai Noel? Ou melhor, será que isso tudo se deve à proximidade do Dia de Natal? Seja lá como for; esta energia positiva contagiante de dezembro toca a todos, de diferentes maneiras.

Evidentemente que a chegada do Natal inspira felicidade, torna a atmosfera mais leve, traz um conforto enorme para as famílias, afinal, o momento é muitíssimo especial para comemorar, refletir e, mais ainda, para nos sensibilizar com o próximo; infelizmente, as dificuldades de sobrevivência que muitos brasileiros enfrentam (aqui em Botucatu nada é diferente das demais localidades brasileiras) fazem com que este momento não seja tão magnífico para todos, até porque, hoje, no Brasil, só existe uma palavra: CRISE – aliás, motivada por uma verdadeira aberração política. O quê explica, de uma hora pra outra, o dinheiro sumir de todos os “cofres” brasileiros? Às vezes, chego até a me lembrar da cantora Gal Costa; aquela “baianinha de ouro” entoava o refrão, de uma das suas músicas mais tocadas em épocas passadas, pelo país inteiro:  “…onde está o dinheiro? O gato comeu, o gato comeu e ninguém não viu, o gato sumiu, o gato sumiu…”! Como diz o renomado jornalista Boris Casoy: isso é uma vergonha!

Perdoe-me, meu povo, pelo desabafo. Estamos vivendo sim um grande pesadelo, ou melhor, a crise da vergonha e da imoralidade; inadmissível num país rico como o nosso ver parte do seu povo passar fome. Nossa gente precisa ser cuidada, melhor tratada e, principalmente, RESPEITADA, pelos nossos governantes. Graças a Deus e à solidariedade da nossa gente – aliás, a generosidade sempre foi a maior riqueza do povo botucatuense – com muita tranquilidade se incumbe de “fazer a sua parte”, amenizando esses dissabores e preenchendo a lacuna da esperança nos corações dos nossos irmãos que precisam.

Creio, “coisas” inéditas estão começando a “mostrar a sua cara” por aqui. Aí eu fico meio “parece que não sei” como bem dizia aquele ilustre personagem (Patropi) da Escolinha do Professor Raimundo, lembram-se? Será que ELE, o Dono de todo o Universo, não está descontente com as nossas atitudes neste mundo todinho DELE? Acho que sim!

O triste e fatídico episódio que sensibilizou o mundo, destruindo 77 famílias brasileiras (o acidente aéreo envolvendo uma delegação de esportistas de Santa Catarina, mais propriamente da cidade de Chapecó), deve servir de REFLEXÃO para que possamos entender melhor e respeitar os propósitos divinos. De novo, volto a me questionar: será que estamos trilhando por caminhos contrários ao do nosso PAI?

Enfim, voltamos ao momento natalino lembrando da música: “…ENTÃO É NATAL E O QUE VOCÊ FEZ? O ANO TERMINA E NASCE OUTRA VEZ…”.

Nada é mais gratificante do que abraçar calorosamente todas aquelas pessoas que nos acompanharam nas diversas ações de solidariedade desenvolvidas na cidade, neste ano. Não foram muitas, entretanto, a união de forças, com certeza, foi o trunfo maior de todas as nossas conquistas em 2016.

Num momento desses, é bastante agradável poder dividir com pessoas especiais, as glórias alcançadas durante o ano que está por se encerrar. Foi “bão” demais festejar, por exemplo, o 10º aniversario de funcionamento das Casas de Apoio da FAMESP/HC, ocorrido logo no início do ano e depois, curtir algumas campanhas beneméritas realizadas com a parceria de pessoas grandiosas como os meus irmãos, Mario Colombeli, Fernando Borgato, Luciano Panhosi, Geraldinho da Aquário, Sidnei Antonio da Silva, Beto Salomão, Juvenal Benito e tantos outros cristãos que prezam o bem estar daquele irmão desprotegido de tudo.

Em clima verdadeiramente natalino, envio um abraço especial a todos aqueles parceiros de causas do bem (não foram poucos), que, de modo louvável, se sensibilizaram com o falecimento da garota Dayane Dias Araujo, de 22 anos, uma das primeiras hóspedes aqui dos nossos carinhosos abrigos, ocorrido dia 3 de dezembro último. Com a ajuda de um “montão” deles e tendo à frente dois dos maiores cidadãos solidários do Distrito de Rubião Junior (Sargento Laudo Gomes da Silva e Nelson Lopes, o Nelsinho do Cartório), formamos uma enorme “corrente” e conseguimos atender um anseio da família que era o de levar o seu corpo para ser sepultado na sua terra natal, Palmas, no Estado de Tocantins.

Com o mesmo afeto abraço outros amigos especiais, com os quais, ao longo do ano, dividimos as alegrias e os sofrimentos oriundos dessa nossa vontade que temos de servir o próximo. Feliz Natal queridos amigos, Vanderlei dos Santos, Neder Filho, Renan Contessotti, Donizeti Manzini, Junot de Lara Carvalho, Ézio Fusco Junior, Junior Colenci, José Roberto Pereira, Marcão Dalaqua, Fernando Azanha, Professor Luiz Antonio Vane, Fernando Blasi, Paulinho Nogueira, Sidnei Amaral, Aparício Cordeiro, Isaias Colino, Sérgio Ortiz, Doutor Sérgio “Macauva” Canuto, José Augusto Celestrin Flores, Celso Correa, Ondina Cotrin, Wagner “Wawa” Rodrigues, Romeu Correa, Francisco Ribeiro de Melo, Ubirajara “Bira” Teixeira, o casal Chico e Nair Garcia e muitos outros que “escaparam” da minha mente, mas que, certamente não fugiram do meu coração. Meus irmãos, que venha 2017!

Aos meus leitores, um carinho ainda maior. Que estejamos durante todo o transcorrer do próximo ano, bem mais juntinhos. Feliz Natal e Próspero Ano Novo a todos!

 

Rubens de Almeida – Alemão

alemao.famesp@gmail.com