CRECHE DA VILA PAULISTA LEVA O NOME DO GRANDE BOTUCATUENSE SANTO CALORI.

“Eta” mundão de Deus! Esta nossa vida é realmente maravilhosa! Como é bom viver e contar as maravilhas que cotidianamente nos ocorrem, aliás, muitos anos atrás, ainda na minha juventude, meu saudoso pai Antonio de Almeida vivia insistindo numa frase que jamais fugiu da minha memória: “SÓ CONTA CAUSO, QUEM CAUSO TEM PRA CONTAR”. Com o pensamento “preso” a estas palavras, volto a detalhar mais um dos muitos “causos” de que tenho notícia, dia após dia.

Caro leitor, mais uma vez, Deus me proporcionou a chance de relatar um “causo” cujo personagem principal é um componente de uma respeitosa família, aliás uma família que me aceitou também como membro, há mais de quarenta e quatro anos.

Na última terça-feira (19/02) tive o privilégio de ser convidado para a inauguração de mais uma obra do governo do menino João Cury Neto, ou melhor, para a solenidade de entrega da nova Creche da Vila Paulista, cujo nome foi emprestado por uma das famílias mais conceituadas do antigo “Bairro da Estação”: a família Calori.

A partir daquela data, esta creche – que foi construída nos tempos em que o Prefeito Municipal era o grande empreendedor Antonio Jamil Cury e que sempre contou com apoio de um botucatuense nobre, o sócio proprietário do nosso Café Tesouro, Celso Guimarães – que cuidava diariamente de duzentas crianças e agora tem estrutura para atender 290, passou a se chamar CENTRO DE EDUCACÃO INFANTIL “SANTO CALORI”, uma homenagem da municipalidade a todos os familiares deste que foi um grande cidadão da terrinha.

Um número considerável de pessoas (mães e filhos), algumas autoridades ligadas ao bairro e quase todos os secretários do governo atual, em meio ? muita pipoca, algodão doce e um delicioso suco de uva bem geladinho, prestigiaram o ato solene. Além de muita emoção por parte dos familiares do homenageado e também, dos funcionários daquela importante instituição de ensino, uma alegria contagiante tomou conta do ambiente.

O clima, durante todo o ato cerimonial foi animado demais. As palavras dos oradores – que começaram com a Diretora da Creche, Nicilene Grizzo Martins, seguido dos depoimentos do Doutor Paulo Sérgio Calori, filho do “Patrono” do remodelado CEI; do menino Paulo Sérgio Alves, Coordenador do Orçamento Participativo e Secretário de Descentralização e Participação Comunitária; da dinâmica Secretária de Educação Alessandra Lucchesi de Oliveira; até chegar a vez do Prefeito Municipal, João Cury Neto – confirmaram todo o orgulho dos presentes com a volta do bom funcionamento da creche. Graças a Deus, outra vez, a nossa querida e hospitaleira Botucatu se depara com mais uma obra destinada ? s nossas crianças.

“Bão”, agora vou direto aos lances que me proporcionaram inspiração suficiente para homenagear, não só os componentes da família Calori, como também, em forma de homenagem póstuma, abraçar um ser humano que me deu diretrizes importantes para que eu tivesse uma vida digna, mostrando os caminhos claros para a construção de uma família honrada (obviamente que, alguns “puxões de orelha” ficaram marcados na minha mente, até porque, quarenta e quatro anos atrás, a educação era completamente diferente da que ora se pratica) e, mais ainda, reconhecer os laços de amizade que nos uniram por vários e vários anos, quer na partilha das alegrias vividas em quaisquer comemorações (principalmente, nas noites de Natal, Ano Novo, domingo de Páscoa), quer nas tradicionais “partidas” de truco que sempre realizávamos.

Enfim, com muita saudade vivenciei um momento grandioso no qual a figura principal – que, coincidentemente, completaria 77 anos de vida naquele dia – era o meu saudoso tio Santo Calori, esposo da simpaticíssima tia Ida Bovolenta Calori, “paizão dos bons”, dos meus primos especiais Paulo Sérgio e Ana Maria Calori e “vovô” dos garotos Paulinho Calori e Bruno Sartori, Coisas dessa nossa vidinha incerta e passageira.

Com satisfação idêntica relembrei os tempos em que, bem menino (apenas cinco anos de idade), vim “morar” na cidade (meus pais e irmãos mais velhos residiam em Ubauba, um pátio da extinta Estrada de Ferro Sorocabana), na casa de outro “fenômeno” dessa família encantadora, meu inesquecível tio Domingos Calori, que hoje também mora no céu. Ali, com as graças DELE e com tanto carinho recebido trilhei os primeiros passos rumo a uma vida vitoriosa, sem manchas e bastante prazerosa.

Parabéns, integrantes da família Calori, todos, sem distinção (que como bem disse o nosso Prefeito João Cury, trata-se de uma família que sempre “fez a sua parte” para o progresso do município; o ilustre Chefe do Executivo fez questão de citar no seu discurso a doação de uma área de terra feita pelo patriarca da família, muitos anos atrás, para a construção do Grupo Escolar “Angelino de Oliveira”) por todo carinho recebido.

Ao homenageado, um saudoso abraço e a certeza de que um dia voltaremos a nos encontrar, quem sabe, para festejar mais uma vez, algumas datas comemorativas, ou até mesmo para “blefar” no provocante jogo de cartas.

Envio o meu fraternal abraço desta semana a três figuras maiúsculas do meu grandioso rol de boas amizades, todos, companheiros inseparáveis, leitores assíduos dos meus “causos” aqui contados e admiradores dos meus intentos em prol de um mundo melhor para todos: meus amigos Professor Doutor Arthur Oscar Schelp, renomado neurologista da nossa UNESP e o belo casal Vado Silva e Lucinha Peduti, proprietários do aconchegante Bar Empório Stammtisth lá na Estância Demétria.

{n}Rubens de Almeida – Alemão
alemao.famesp@gmail.com